Pular para o conteúdo principal

O poder de cura das plantas




Os povos indígenas são reconhecidos pela sua sabedoria dita empírica a respeito das plantas. Quando os espanhóis invadiram a região onde hoje é o México, os padres que foram catequizar os povos de lá absorveram enorme conhecimento sobre plantas depois que ensinaram os nativos a ler e escrever em latim e espanhol. Estimularam a narrar seus conhecimentos fitoterápicos que se tornaram livros e depois foram levados para o Vaticano.
No Brasil fizeram a mesma coisa. O padre Anchieta compilou conhecimento dos tupy, dos guaianá, dos tupinambá; que veio a fundamentar elementos para o primeiro boticário no Brasil, e depois, na Bahia, a primeira faculdade de medicina iria se apropriar de tais conhecimentos.
A medicina tradicional reconhece a propriedade de cura das plantas a partir da investigação de seus princípios ativos. No entanto, para a cultura ancestral, as plantas curam não só por este motivo, mas também pela sua qualidade vibracional e seu poder elemental.
Cada planta traz a marca das estrelas, da luz da lua, da luz do sol em si. esta marca emite uma vibração curadora que atua em níveis sutis do ser; níveis esteschamados psíquicos pela linguagem contemporânea, mas que na linguagem indígena se refere á um certo poder de ressonância da planta com a alma humana.
Além disso, toda planta possui um elemental, mais do que uma energia, uma vida consciente de si e dotada de um propósito imanente, que, dependendo de determinadas condições e ações, se oferece para a cura. Ou seja, o poder de cura das plantas é trino: físico, anímico e espiritual.



1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…