Pular para o conteúdo principal

Os três cuidados de um Xamã


Quando encontrei o tapuia Pena Vermelha pela primeira vez, em 1997, foi em um momento em que ele disponibilizava ensinamentos de sua tradição, mestre que era, falou sobre os três cuidados que um aspirante á Xamã deveria ter:
O primeiro diz respeito á manter o pensamento puro. Sugeria a prática de limpar com frequência a mente, e prestar atenção na qualidade dos pensamentos que carregamos; isso requer cuidar das idéias e crenças que se constrói através da consciência. Diz ele que é um modo de atrair o verdadeiro curador, que é a mente amorosa de Nhamandú, o Grande Espírito.
O segundo diz respeito á reverenciar as três raízes ancestrais: a família, a natureza, e a fonte divina de onde descendemos.
O terceiro diz respeito á cuidar do corpo como uma casa sagrada, que acolhe o sopro do nosso verdadeiro ser. Praticar atividades sadias, danças sagradas, caminhadas, etc.

4 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A espiritualidade da natureza

A espiritualidade não é um movimento e nem uma ideologia. Não é uma teoria criada por alguém. Também não é privilégio de alguns. Embora não seja reconhecida por inúmeras pessoas.  A espiritualidade é um princípio universal que está na base da sabedoria humana. Ao longo da presença de diversas culturas pelo mundo desde épocas imemoriais ela tem estado presente em sistemas de conhecimento, filosofias, cosmovisões, memórias, etc. A mais antiga noção de espírito e de espiritualidade vem da natureza. Ela foi e é a inspiradora do reconhecimento e do desvendamento do mistério que somos. Nesse sentido as culturas que se formaram com laços fortemente traçados com a natureza desenvolveram uma espiritualidade e uma visão de espirito de extrema poesia e integração. Uma das culturas que se expressou de um modo agudo e profundo essa relação do espírito com a natureza foi a tradição tupi. Umas das mais antigas raízes culturais do Brasil.  A tradição tupi tem mais de 12.000 anos de presença na face …

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena