Xamanismo no Brasil

Embora o Brasil possua uma das maiores diversidades culturais do planeta, e estas por sua vez apresentam uma diversidade ainda maior em relação ao sagrado, á cosmovisões, , á filosofias espirituais ancestrais; quando se menciona a palavra xamanismo se associa diretamente á algumas informações e referências da cultura norte-americana.
A década de noventa foi uma época de crescimento de influência de técnicas e informações superficiais do que uma determinada literatura convencionou chamar de "medicina indígena", que passou a influenciar leigos e especialistas nas áreas da psicologia e de estudos da alma humana.
Muitos instrutores destas técnicas pouco conhecem sobre a história, a cultura, os valores, as questões sociais destes povos ao qual importaram fragmentos de sua ciência, mas aplicam-nas fazendo suas próprias teorias e conceitos, quando o fazem, sobre o tema.
O uso das plantas de poder, os cantos e batidas de tambor, a chamada sauna sagrada, viraram práticas daqueles que passaram a incorporar o xamanismo em suas atividades terapeuticas.
Mas nem só de ervas de poder, alucinógenos, batidas de tambor, vive o xamanismo. Uma das culturas mais antigas deste lado da América, a tradição tupy-guarani, não se utiliza de nenhum destes recursos nas suas práticas de cura e de busca de transcendência.
E o que elas utilizam então?
A tradição tupy-guarani acredita que o ser humano é uma "palavra-habitada", (é este o significado esotérico do termo tu-py) e o sentido mais profundo desta designação diz respeito á essência vibracional e luminosa que provê o corpo humano a qual é chamada também de consciência. Esta por sua vez manifesta-se através dos pensamentos e dos sons que emitimos quando falamos. Portando, um som tem o poder de criar, de curar, de transformar, de ferir, etc...; assim sendo, a tradição tupy-guarani desenvolveu técnicas de cura utilizando-se de cantos, emissão de sons, palavras sagradas, e sobretudo atentando para a responsabilidade que paira sobre todo cidadão humano desde o momento em que ele emite o primeiro pensamento.
A cultura ancestral tupy-guarani, neste sentido, diz que a saúde humana está diretamente ligada á qualidade de seus pensamentos, de seus sentimentos, e de suas ações.



Comentários

  1. Olá Kaká Werá, ontem uma amiga, Telma Buarque, trouxe para a meditação do nosso grupo (obaobaessenciacriativa.blogspot.com) o seu livro A Terra dos Mil Povos. Lemos alguns trechos e nos encantou a sua descrição da relação ser humano / som. Resolvemos neste encontro usar o som para nossa conexão. Foi uma experiência maravilhosa. Por um momento percebi que eu poderia experimentar mais. É como se eu tivesse preenchido uma lacuna no processo de trabalho. Sou ator e venho investigando a relação da interpretação com o desenvolvimento espiritual. O que foi experimentado ontem junto ao meu grupo de meditação foi de grande valor. Estamos bastante interessados em aprofundar este trabalho. Agradecemos pela sua presença no nosso encontro. Um forte abraço, Fábio Caio

    ResponderExcluir
  2. Caro Fábio,

    agradeço o comentário. Gostaria de dizer que a antiga tradição tupy deixou ensinamentos profundos a respeito do som e do ser humano. É uma cultura que vê o Homem como uma Palavra Habitada, creio que vale a pena pesquisar um pouco mais sobre isso!

    Kaká Werá

    ResponderExcluir
  3. Kaká Atualmente estou construindo a minha monografia na cadeira de musica com o tema o mito e a musica, e por conhecer algumas pessoas que estão na tradição Guarani,vi que essa relação é muito profunda,quero me aproximar de materiais que possam me ajudar nessa pesquisa que certamente não vai parar aqui, você me indicaria algo para ler e pesquisar, pois no grupo estou em contato com o pajé Awajur poty (que mora distante do Rio) e queria também , por adimirar seu trabalho e estudo, saber se você tem algo a me indicar, desde já agradeço,
    abraços,
    Tude

    ResponderExcluir

Postar um comentário

comente este artigo

Postagens mais visitadas