Pular para o conteúdo principal

Rostos

O vento bate no rosto cujo corpo dobra a esquina de uma rua vulgar, como a lua cheia, como esta noite, como esta quantidade de passos de gente que passa distraída de si. Assim como eu. Respiramos enigmas. Ninguém conhece ninguém. Até que o rosto some. A rua some. O som dos passos lampejam. A escrita no muro ao lado lampeja questões sobre o anonimato e a gratuidade da vida na metrópole. Coisas sem nexo. O ar da cidade está seco. O olho lacrimeja. Não sei se os passos que ouço acham normal.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…