Pular para o conteúdo principal

Educar para um mundo sem fronteiras

Começa nesta quarta-feira (8) e segue até a próxima sexta (10), o VIII Congresso Internacional de Tecnologia na Educação, promovido pelo Sistema Fecomércio/Senac/Sesc, no Centro de Convenções, em Olinda. O presidente da Fecomércio, Josias Albuquerque, faz a cerimônia de abertura às 14h30. Em seguida, quem sobe ao palco do Teatro Guararapes é o teólogo Leonardo Boff para realizar a conferência magna intituladada de “Educar para a sustentabilidade”.


A educação como premissa para a formação de um cidadão voltado para o mundo será o mote para as discussões deste ano no evento, que já se solidificou como um dos maiores do Brasil na área educacional, trazendo nesta oitava edição o tema “Educação Para um Mundo Sem Fronteiras”, fomento para debates entre os mais de 3,3 mil participantes inscritos.

O congresso contará ainda com 30 palestrantes do Brasil, Finlândia, Escócia e Portugal, entre os quais figura o paulista Celso Antunes – autor de mais de 240 livros didáticos e sobre educação – e o escocês Timothy Ireland, especialista em Educação da representação da Unesco no Brasil.As formas de trabalhar a cultura indígena dentro da sala de aula ganharão discussão, sob uma ótica ecológica e contemporânea, no VIII Congresso Internacional de Tecnologia na Educação.

O OLHAR ÍNDIO SOBRE EDUCAÇÃO

Quem também participa é o índio tapuia, escritor e ambientalista Kaká Werá Jecupé, autor de “Tupã Tenondé” e “A terra dos mil povos – história indígena do Brasil contada por um índio".

No que tempo em que sustentabilidade é palavra de ordem, Kaká Werá lembra que é importante observar que um traço marcante da cultura indígena é o íntimo conhecimento da natureza, de como aproveitá-la nos mais diversos usos, sem, contudo, destruir o meio ambiente. A palestra “História e Cultura Indígena na sala de aula: uma abordagem ecológica e contemporânea” acontece na quinta-feira, 9, às 8h.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A espiritualidade da natureza

A espiritualidade não é um movimento e nem uma ideologia. Não é uma teoria criada por alguém. Também não é privilégio de alguns. Embora não seja reconhecida por inúmeras pessoas.  A espiritualidade é um princípio universal que está na base da sabedoria humana. Ao longo da presença de diversas culturas pelo mundo desde épocas imemoriais ela tem estado presente em sistemas de conhecimento, filosofias, cosmovisões, memórias, etc. A mais antiga noção de espírito e de espiritualidade vem da natureza. Ela foi e é a inspiradora do reconhecimento e do desvendamento do mistério que somos. Nesse sentido as culturas que se formaram com laços fortemente traçados com a natureza desenvolveram uma espiritualidade e uma visão de espirito de extrema poesia e integração. Uma das culturas que se expressou de um modo agudo e profundo essa relação do espírito com a natureza foi a tradição tupi. Umas das mais antigas raízes culturais do Brasil.  A tradição tupi tem mais de 12.000 anos de presença na face …

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena