Pular para o conteúdo principal

PRESERVANDO SAPOS, BAGRES E O FUTURO

Existem pessoas que crêem e outras que divulgam a falsa idéia de que índios e ambientalistas querem proteger bagres, pererecas e árvores em detrimento ao progresso nacional e á inserção do Brasil entre as nações do primeiro mundo. Jornais comunicam que grandes obras como hidrelétricas, portos, rodovias e linhas de transmissão elétricas tiveram problemas de liberação ambiental por causa de sapos e flores.
Na verdade a questão ambiental que se propõe para muitos destes casos vai além da questão biológica. Por trás de diversas obras que dizem ser o caminho para o desenvolvimento se encontram graves poluições sociais e econômicas, como por exemplo: a dos prejuízos causados por superfaturamentos, pela falsa necessidade de determinados projetos, pela falsa visão estratégica em relação á determinadas propostas, entre outros males.
Cuidar do ambiente inclui cuidar do dinheiro público que se gasta, do zelo na gestão pública, da observação da ética de líderes e dirigentes das diversas instâncias governamentais e exigir um desenvolvimento com planejamento e sustentabilidade.
Cuidar do ambiente inclui também cuidar das gerações futuras, da qualidade de educação e da vida que queremos ver manifestado no mundo, em nossas famílias e em nossas casas.
Existe um velho ditado indígena que diz que para cada passo que damos devemos pensar no que ele interfere por sete gerações. Hoje em dia temos tecnologia, especialistas e recursos suficientes para realizarmos um desenvolvimento que pense considerando os nossos tataranetos. Isto é o que eu defino como a verdadeira sustentabilidade.
O sapo que coaxa no rio talvez esteja esbravejando acerca da arrogância e avareza humana, que evoluiu em tantos aspectos, mas em muitos não vale o que come. Já o bagre talvez medite sobre a condição humana, como a única espécie capaz de destruir a si mesma, por uma ambição monetária ou de poder, que se esvai com o tempo. E as árvores? Ah, as árvores, pra que servem?
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…