Pular para o conteúdo principal

Índios e meio ambiente

Vinte e cinco comunidades indígenas do Alto Rio Negro estão fazendo uma campanha que branco nenhum pode botar defeito. Tukanos, tuyukas, dessanos e muitas outras etnias já recolheram, desde 2005, por volta de 25 mil pilhas e baterias. As pilhas estão vindo para Manaus, de barco, para serem entregues ao programa Giro Ambiental, que realiza uma campanha permanente de conscientização.

Os moradores das comunidades indígenas do Alto Rio Negro consomem uma grande quantidade de pilhas, por conta dos equipamentos utilizados na pesca noturna. A lanterna, portanto, é um grande aliado na hora de praticar essas atividades. Por conta disso, são centenas de pilhas descartadas todos os meses e que não estavam tendo o descarte correto.

“Apesar de haver outras tecnologias, o acesso dessas comunidades às pilhas é mais fácil. O nosso objetivo é reduzir o impacto ambiental que elas causam no meio ambiente”, detalhou o administrador do Instituto Socioambiental (ISA), Marcílio Cavalcante. O órgão é ligado à Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (Foirn).

Antes da iniciativa, os indígenas davam outro destino às pilhas. “Mas era perigoso. Eles usavam a substância que existe dentro das pilhas e preparavam uma tinta preta para pintar objetos”, revelou. “Além disso, muitas crianças brincavam com as pilhas, além de outras serem jogadas em qualquer lugar, o que causava contaminação de igarapés e lençóis freáticos”, ressaltou Marcílio.

Depois de uma conversa com as comunidades sobre os perigos do lixo químico, os indígenas começaram a juntar as pilhas espalhadas. “Essas baterias estão sendo depositadas dentro de tubos de PVC, medindo 1,50m, e tampadas”, detalhou Cavalcante. Os tubos são enviados a São Gabriel da Cachoeira, onde aguardavam descarte.

Depois de saber sobre a iniciativa do projeto Giro Ambiental, comandado pelo jornalista Adão Gomes, o tio Adão, os coordenadores do ISA-Manaus souberam exatamente o que fazer. “Eles entraram em contato comigo e agora estamos negociando o transporte das pilhas até Manaus. Quando chegarem aqui, as pilhas serão armazenadas na caçamba do ‘Giro’, e ficarão ali até atingirmos a marca de 150 mil unidades”, completou Tio Adão.

As comunidades, localizadas no rio Tiquié, são Serra de Mucura, Pirarara e Acará-Poço, Cunuri, Iraity, Boca da Estrada, São Luiz, Duhtura, Trovão, Floresta, São José I, II e do Meio, Santa Luzia, Maracajá, Santo Antônio, Bela Vista, São Domingos, São Paulo, São Tomé, Santa Rosa, Jabuti, Boca do Sal, Caruru, São Pedro, Cachoeira Comprida, e Fronteira. A iniciativa dessas comunidades, ressalta Cavalcante, faz parte do manejo ambiental delas próprias, e não conta com o apoio das autoridades competentes para coletar lixo. “Aliás, não há qualquer política relacionada à coleta ou destinação do lixo nas comunidades indígenas”, lamentou
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A espiritualidade da natureza

A espiritualidade não é um movimento e nem uma ideologia. Não é uma teoria criada por alguém. Também não é privilégio de alguns. Embora não seja reconhecida por inúmeras pessoas.  A espiritualidade é um princípio universal que está na base da sabedoria humana. Ao longo da presença de diversas culturas pelo mundo desde épocas imemoriais ela tem estado presente em sistemas de conhecimento, filosofias, cosmovisões, memórias, etc. A mais antiga noção de espírito e de espiritualidade vem da natureza. Ela foi e é a inspiradora do reconhecimento e do desvendamento do mistério que somos. Nesse sentido as culturas que se formaram com laços fortemente traçados com a natureza desenvolveram uma espiritualidade e uma visão de espirito de extrema poesia e integração. Uma das culturas que se expressou de um modo agudo e profundo essa relação do espírito com a natureza foi a tradição tupi. Umas das mais antigas raízes culturais do Brasil.  A tradição tupi tem mais de 12.000 anos de presença na face …

TEKOA: COMO TORNAR UM LUGAR SAGRADO

Esses dias recebi uma frase no facebook, atribuída á um biólogo, que dizia o seguinte: "se desaparecessem todos os insetos da Terra, em 50 anos a vida no planeta se exterminaria; mas se desaparecessem os seres humanos, em 50 anos toda a Terra seria reconstituída e renovada com toda a sua biodiversidade" . Não creio que há exageros nisso, realmente nós, seres humanos temos tido comportamentos terríveis em relação ao modo como interagimos com o espaço em que vivemos: seja ele o ambiente, o lugar onde moramos e também com as pessoas com quem convivemos. Dizem alguns mestres de sabedoria que um espaço em desarmonia é resultado de uma mente em desarmonia. Uma casa em desarmonia é resultado de uma mente em desarmonia. Um corpo em desarmonia também é resultado de uma mente em desarmonia.Por isso, independente de ambientes sofisticados ou simples, ao cuidar do lugar, com gratidão e carinho, ele refletirá esse "clima". Assim também, quando arrumamos a nossa "casa" …

A raiz do xamanismo e da sabedoria tupi

É
É com grande alegria que anunciamos a publicação de mais este importante livro, que contém os preciosos fundamentos de uma das grandes tradições espirituais da América do Sul: a tradição ancestral tupi-guarani! "Desde os últimos duzentos anos de peregrinação tupi-guarani, existe uma profecia que fala do retorno de Tupã no coração dos Homens, para iniciar ‘a quarta humanidade’. Segundo essa antiga tradição, Tupã é um dos nomes do Grande Espírito, do Sagrado Mistério, da causa de toda emanação de vida. É a Consciência Infinita, presente, mas adormecida em nossos corações e mentes, que precisa ser despertada. Existe uma via chamada ‘Apecatu Ava-porã’, que significa O Caminho do Homem Sagrado. É um método de aprimoramento pessoal em que a natureza e suas forças apoiam o ser humano em seu alinhamento, despertar e integração da consciência a partir de músicas, meditações e sons apropriados. Para isso, ‘há que se conhecer o Trovão e o Vento’, diziam os antigos mestres Nessa via, o Tro…