Pular para o conteúdo principal

Ser a mudança que queremos ver

Ainda ouço gente dizer que precisamos nos unir para salvar o planeta. Não se dá conta da prepotência que é esta perspectiva de visão. O planeta é um corpo vivo, que se recicla e se renova periodicamente, e que reage em relação á emissões de negatividade e ignorância produzidos pela mentalidade humana com tempestades, furacões, e outros tipos de ações chamados de desastres naturais.
Além dos gases que provocam o efeito estufa, temos que aprender a deixar de emitir os gases das negatividades que criamos com nossa suposta inteligência. Temos que mudar ainda alguns paradigmas de tecnologias e ferramentas sociais.Temos que re-aprender a nos portarmos como extensões deste corpo vivo chamado carinhosamente de Mãe Terra pelas culturas ancestrais.
Sobretudo temos que realizar um esforço para adquirirmos novos hábitos e novos comportamentos mais dignos, mais ecológicos, mais saudáveis.
Temos também que despoluir aspectos de conduta de alta periculosidade moral e ética, como corrupções e ditaduras. E temos que ter uma ação correspondente ao que pregamos e pensamos, como diria Gandhi, devemos ser a mudança que queremos ver no mundo.
Os milênios de materialismo fez com que o ser humano perdesse a percepção de que nós somos entidades subjetivas que criam realidades objetivas, e estas se manifestam de acordo com o que verdadeiramente cremos. Assim também é a Mãe Terra; no interior de suas paisagens, ecossistemas, superfícies; pulsa uma entidade iluminada, potente e sutil, que nos acolhe indiscriminadamente, mesmo enquanto envenenamos sua pele-solo, suas águas, sua respiração, que também é a nossa própria respiração.
Mas quando um grande acúmulo de negatividade e veneno de toda ordem lhe sobrepõe, a sagrada Mãe reage, purificando-se através dos ventos, das águas, do fogo. Assim ela se renova e se salva.
E quanto á nós, seres humanos?
Poderemos pelo menos salvar á nós mesmos?
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…