Pular para o conteúdo principal

Kaká Werá no Rio de Janeiro

Após compartilhar uma imersão de quatro dias com Roberto Crema, abordando o tema RITOS E MITOS, retorno na próxima semana ao Rio de Janeiro para aprofundar melhor o tema relacionado á sabedoria tupy, mais especificamente a compreensão da palavra enquanto espírito.
Na década de sessenta, o conhecido sociólogo Pierre Clastres, após estudar á fundo a filosofia tupy-guarani escreveu um livro chamado A FALA SAGRADA, onde ali ele já consegue encontrar indícios da complexidade do conhecimento desta cultura em relação á linguagem.
A linguagem, na percepção da tradição tupy, extrapola os limites da oralidade em si; e também da percepção enquanto ruído, som, barulho, etc. A arte da fala e do falar se relaciona com a própria energia-luz, vida atuante em tudo o que existe.
A fala, a respiração, o pensamento, a geração de idéias, são extensões da mesma qualidade vivente. E os antigos sábios desta tradição adquiriram experiências diversas a partir deste reconhecimento. Desde o uso como medicina curativa até a sua estruturação em princípios norteadores da evolução do ser.
Para acompanhar a programação do Rio, sugiro visitarem o site da Unipaz:
www.unipazrj.org.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…