Pular para o conteúdo principal

índio e política

A política para o índio no Brasil é baseada no mais perverso jogo de relação de dependência e assistencialismo que existe no país. É um jogo antigo, pois é assim desde o século XVI. A lógica é a mesma: primeiro cooptam alguns índios por alguma ninharia e promessa; depois estimulam a fofoca para por parente contra parente, líder contra líder, grupos contra grupos. E por fim, vão mantendo a relação com alguns incautos, no banho maria, na base de presentinhos e servicinhos básicos.
No Brasil, o principal tema que se relaciona ao índio é a questão da demarcação das terras, que é é um outro jogo; o de campo minado, onde de um lado estão os interesses de ruralistas que querem manter o domínio sobre quase 320 milhões de hectares de terras desta nação, e do outro: povos e culturas diversas de entendimentos fragmentados em relação á esta causa. É muito desigual. Para inúmeras lideranças indígenas fica o isolamento e a dificuldade de articulações capazes de criar condições para fazer valer direitos básicos, como o de ser reconhecido o seu espaço ancestral.
Junta-se á isso o fato de que o órgão nacional que deveria tratar das políticas para a diversidade dos povos indígenas está sobrecarregada de maledicências e corrupções de décadas, onde o fio desta meada vai longe. Por isso, não é mudando uma pessoa que se irá resolver os problemas que caem sobre a Fundação Nacional do Índio, mas há que se mudar toda uma mentalidade, um modo de se relacionar com as culturas tradicionais, e há que se mudar um comportamento soberbo,de visão distorcida e corrupto de um pequeno grupo que tem se mantido no poder nas últimas décadas.
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…