Pular para o conteúdo principal

Modernizar-se sem perder a identidade

Com cerca de 3 mil falantes, a língua waotededo, dos indígenas waodani da Amazônia equatoriana, é um dos idiomas ameaçados do mundo, mas que um programa de educação bilíngue que dá à comunidade ferramentas para enfrentar o mundo moderno pretende preservar.
Após uma viagem de dias de canoa, carro, a pé e em um pequeno avião, Samuel, Manuel, Gayaque e cerca de 20 estudantes chegam à aldeia amazônica de Toñampari para participar de um programa aprovado pela Universidade de Cuenca, no Equador, com o objetivo de preservar as culturas dos ancestrais.
Todos compartilham uma mesma língua, o waotededo, um dos 14 idiomas indígenas do país, mas dos quais oito correm o risco de se extinguir, segundo um estudo promovido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) em 2010.
Apenas o quíchua se mantém forte, enquanto outras línguas indígenas vão se perdendo, como é o caso do zápara, que atualmente só é dominada por seis idosos, e o épera, um idioma do litoral do Equador praticamente esquecido.
"O castelhano, perante todas as línguas ancestrais, tem um domínio absoluto nos meios de comunicação, e os sistemas administrativos do país são exercidos com base na língua espanhola. Isso faz com que tenhamos menos possibilidades de sobreviver", explicou o secretário de Educação do Equador para o Diálogo Intercultural, Alberto Guapizaca.
Com a licenciatura bilíngue se busca fazer com que "os jovens que estão estudando façam sua cultura prevalecer falando o waotededo quando se formarem", disse à Efe Víctor Llangarí, professor do projeto Sasiku.
O programa nasceu em 2006 através de um acordo entre a Direção Nacional de Educação Intercultural Bilíngue (Dineib) e a Agência Catalã de Cooperação ao Desenvolvimento, e oferece, entre outros, licenciatura em Educação Intercultural Bilíngue.
Ensinar na própria selva envolve grandes dificuldades, que os docentes das comunidades encaram como muita dedicação. Apesar dos salários terem dobrado durante o último Governo, os professores cobram entre US$ 250 e US$ 500, o que impede muitos deles de visitar suas famílias frequentemente, já que uma passagem de avião custa cerca de US$ 300.
"Se os professores querem retornar à sua casa caminham, de Pastaza e Napo até suas comunidades. Se trabalham três ou quatro meses e conseguirem economizar, além de ajudarem sua família, podem retornar de avião", disse Julio Remigio Chimbo, supervisor educativo da região e que conhece bem a selva, pois visita as comunidades para supervisionar os planos de estudo.
Devido ao isolamento de Toñampari, a maioria das famílias fala waotededo, enquanto na escola prevalece o espanhol, já que muitos professores são indígenas de outras etnias.
Mesmo assim, entre aulas de matemática, ecologia, língua espanhola e horticultura, os alunos também aprendem waotededo. "Estou ensinando as crianças waodani e tenho que lutar por eles, para que também sejam parte disso e não esqueçam sua língua materna", explicou Rosa Alvarado, professora da comunidade e estudante das oficinas do projeto Sasiku, que disse temer que os jovens que partam paras as cidades "percam sua identidade" e sua cultura.
Essa não se trata de uma preocupação infundada, pois muito jovens desejam deixar o povoado para continuar seus estudos e trabalhar. "Passei muito tempo aqui, desde a infância, e, por isso, eu gostaria de ir à cidade para visitar ou conseguir outros trabalhos", disse Claudia, estudante de ensino médio de 23 anos e mãe de dois filhos.
Por sua vez, Gayaque Enqueri, procedente do Parque Nacional do Yasuní, o território ancestral dos waodani, resumiu o real desejo dos alunos do projeto Sasiku: tornar-se modernos sem perder a identidade.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…