Pular para o conteúdo principal

OS SETE GRAUS DE INICIAÇÃO TUPY

Quando encontrei Werá, o velho, pela primeira vez, foi em uma visita que fiz á sua aldeia. Eu estava caminhando por uma trilha em direção á uma nascente dágua quando ele surgiu de dentro da mata. Simples, pés descalços, a cabeleira grisalha guardando quase um século de vida e os olhos revelando milênios em silêncio. Vinha da roça. Vivia isolado da aldeia. Existia um conflito entre suas opiniões e o comportamento dos guaranis daquela região. Uma das coisas mais surpreendentes, é que falava um português impecável, ás vezes incluindo termos como “vós”, por exemplo, já em desuso neste tempo. Um dos motivos que ele brigava com a nova geração era o fato de ela ser extremamente dependente de favores de estranhos e de assistencialismos governamentais. A sua família era sustentável, vivia da roça, da produção artística, e das aulas que dava na escolinha.
Um dia ele me disse que tupy não era exatamente um povo e nem uma raça, tornou-se sinônimo de povo somente nos últimos quinhentos anos; assim também como guarani. Tupy era um título em que o indivíduo que percorria determinado graus de iniciação, acabava adquirindo. E perguntei-lhe o que era um tupy:
- Tornar-se um tupy, um som-de-pé, ou seja, um indivíduo integrado, consciente de si enquanto uma entidade vibratória e co-criadora manifestada na Terra, filho de Tupã, o Verbo Criador, exigia-se que o seguidor percorresse o caminho guarani, que significa ser um guerreiro interior, ou seja, aquele que conheceu,purificou, dominou e transcendeu a si mesmo. Para isso, havia que se passar por sete graus, para tornar-se um iniciado na tradição. Nestes graus haviam que ser observados, estudados, integrados e praticados: três aspectos a serem dominados, um aspecto de confiança, um aspecto de fusão e um aspecto de libertação.

TRÊS ASPECTOS DE DOMÍNIO:
1) Dominar as mazelas do corpo físico: preguiça, vício, desperdício, gula,
2) Dominar as mazelas da fala: fofoca, calúnia, julgamento, mentira
3) Dominar as mazelas da mente: dispersão mental, pensamento negativo contra si mesmo ou contra alguém, estagnação mental, sobrecarga mental.
UM ASPECTO DE CONFIANÇA:
4) Confiar no espírito intangível e luminoso, bem como nas suas qualidades profundas e sagradas, libertando-se de falsas crenças e de bloqueios.
UM ASPECTO DE FUSÃO:
5) Após a purificação dos aspectos negativos emanados de si mesmo, pelo autodomínio e transmutação através da ajuda da Grande Mãe Natureza, inicia-se uma fusão com as qualidades intangíveis e sagradas, que são: amor, sabedoria, e poder sobre si mesmo.
UM ASPECTO DE LIBERTAÇÃO:
6) A morte, que na verdade é a morte definitiva dos vícios do corpo, da fala e da mente. Trata-se da libertação dos últimos dogmas, preconceitos e visão limitada da vida. Abrir-se para o serviço á vida através da expressão do amor incondicional e da sabedoria.
UM ASPECTO DE RENASCIMENTO:
7) O renascimento. O início do ser revestido com o manto reluzente de plumas azuis.
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A espiritualidade da natureza

A espiritualidade não é um movimento e nem uma ideologia. Não é uma teoria criada por alguém. Também não é privilégio de alguns. Embora não seja reconhecida por inúmeras pessoas.  A espiritualidade é um princípio universal que está na base da sabedoria humana. Ao longo da presença de diversas culturas pelo mundo desde épocas imemoriais ela tem estado presente em sistemas de conhecimento, filosofias, cosmovisões, memórias, etc. A mais antiga noção de espírito e de espiritualidade vem da natureza. Ela foi e é a inspiradora do reconhecimento e do desvendamento do mistério que somos. Nesse sentido as culturas que se formaram com laços fortemente traçados com a natureza desenvolveram uma espiritualidade e uma visão de espirito de extrema poesia e integração. Uma das culturas que se expressou de um modo agudo e profundo essa relação do espírito com a natureza foi a tradição tupi. Umas das mais antigas raízes culturais do Brasil.  A tradição tupi tem mais de 12.000 anos de presença na face …

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena