Pular para o conteúdo principal

Indios vivem também nas cidades

Apesar de a maioria da população de índios do estado viver em cidades, comunidade ainda sofre preconceito. Cultura e costumes demandam ações de valorização
Mulheres e crianças indígenas de comunidade de Pirituba, periferia de São Paulo: precariedade e dívida social (Foto:©Ayrton Vignola/Folhapress)
São Paulo – Dos indígenas que vivem no estado de São Paulo, 37 mil estão em centros urbanos. Isso representa 91% do total, segundo dados do último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo a coordenadora-executiva da Comissão Pró-Índio de São Paulo, Lúcia Andrade, pouco se sabe sobre a realidade da comunidade indígenas residente nas cidades, porque as prefeituras não têm essa preocupação de identificar as demandas específicas.

Eles sofrem especialmente pela ausência de políticas públicas, principalmente na periferia de grandes centros urbanos. Há ainda o agravante de que os indígenas fazem parte de uma cultura de resistência. As constatações fazem parte de um estudo da Comissão Pró-índio paulista e do Centro Gaspar Garcia. O levantamento é parte do projeto, iniciado neste ano, “A cidade como afirmação dos direitos indígenas”, lançado nesta quinta-feira (22), em São Paulo.

"Essas pessoas ficam numa situação vulnerável por acreditarem que, saindo de sua aldeia, elas não teriam mais direito à educação e à saúde, que são políticas garantidas ao índio pela Constituição", sublinha Lúcia. Segundo ela, as políticas indigenistas, de forma geral, foram pensadas somente para os que vivem em terras indígenas e, agora, a realidade obriga a repensar a situação.

Avani Florentino, da comunidade Fulni-ô, acredita que o principal sofrimento pelo qual passa a maioria dessa população nas cidades é a falta de moradia fixa. Segundo ela, que participa do programa Pindorama, da Pontíficia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), muitos vivem à beira de córregos ou em favelas.

"Ainda tem o sofrimento de conviver com o preconceito", frisa Lúcia Andrade. "As pessoas olham para a gente e vêm que temos uma fisionomia diferente. O índio é índio, independentemente de estar na aldeia ou na cidade."

Três situações
Para Lúcia, há três situações distintas vividas pela população indígena em centros urbanos. Primeiramente, os índios que moram em perímetro urbano pelo fato de a cidade ter chegado ao que antes eram terras indígenas, ou seja, por mais que vivam em território demarcado, são considerados moradores da cidade.

Há outra situação em que os índios optaram por viver em bairros, mas ainda mantêm contato estreito com a comunidade de origem. E ainda uma terceira condição, em que indígenas vão às cidades para comercializar produtos feitos nas comunidades, como artesanato, utilizando aquele espaço como geração de renda."São esses tipos de realidade que têm que ser pensados agora", diz Lúcia.

Para René Ivo, do Centro Gaspar Garcia, os estudos buscam ajudar etnias indígenas ligadas ao ambiente urbano a se relacionar com a cidade, ou seja, facilitando o caminho para o acesso a políticas públicas, de modo que sejam respeitadas em seus direitos, culturas e costumes


Por: Virginia Toledo, Rede Brasil Atual
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A espiritualidade da natureza

A espiritualidade não é um movimento e nem uma ideologia. Não é uma teoria criada por alguém. Também não é privilégio de alguns. Embora não seja reconhecida por inúmeras pessoas.  A espiritualidade é um princípio universal que está na base da sabedoria humana. Ao longo da presença de diversas culturas pelo mundo desde épocas imemoriais ela tem estado presente em sistemas de conhecimento, filosofias, cosmovisões, memórias, etc. A mais antiga noção de espírito e de espiritualidade vem da natureza. Ela foi e é a inspiradora do reconhecimento e do desvendamento do mistério que somos. Nesse sentido as culturas que se formaram com laços fortemente traçados com a natureza desenvolveram uma espiritualidade e uma visão de espirito de extrema poesia e integração. Uma das culturas que se expressou de um modo agudo e profundo essa relação do espírito com a natureza foi a tradição tupi. Umas das mais antigas raízes culturais do Brasil.  A tradição tupi tem mais de 12.000 anos de presença na face …

TEKOA: COMO TORNAR UM LUGAR SAGRADO

Esses dias recebi uma frase no facebook, atribuída á um biólogo, que dizia o seguinte: "se desaparecessem todos os insetos da Terra, em 50 anos a vida no planeta se exterminaria; mas se desaparecessem os seres humanos, em 50 anos toda a Terra seria reconstituída e renovada com toda a sua biodiversidade" . Não creio que há exageros nisso, realmente nós, seres humanos temos tido comportamentos terríveis em relação ao modo como interagimos com o espaço em que vivemos: seja ele o ambiente, o lugar onde moramos e também com as pessoas com quem convivemos. Dizem alguns mestres de sabedoria que um espaço em desarmonia é resultado de uma mente em desarmonia. Uma casa em desarmonia é resultado de uma mente em desarmonia. Um corpo em desarmonia também é resultado de uma mente em desarmonia.Por isso, independente de ambientes sofisticados ou simples, ao cuidar do lugar, com gratidão e carinho, ele refletirá esse "clima". Assim também, quando arrumamos a nossa "casa" …

A raiz do xamanismo e da sabedoria tupi

É
É com grande alegria que anunciamos a publicação de mais este importante livro, que contém os preciosos fundamentos de uma das grandes tradições espirituais da América do Sul: a tradição ancestral tupi-guarani! "Desde os últimos duzentos anos de peregrinação tupi-guarani, existe uma profecia que fala do retorno de Tupã no coração dos Homens, para iniciar ‘a quarta humanidade’. Segundo essa antiga tradição, Tupã é um dos nomes do Grande Espírito, do Sagrado Mistério, da causa de toda emanação de vida. É a Consciência Infinita, presente, mas adormecida em nossos corações e mentes, que precisa ser despertada. Existe uma via chamada ‘Apecatu Ava-porã’, que significa O Caminho do Homem Sagrado. É um método de aprimoramento pessoal em que a natureza e suas forças apoiam o ser humano em seu alinhamento, despertar e integração da consciência a partir de músicas, meditações e sons apropriados. Para isso, ‘há que se conhecer o Trovão e o Vento’, diziam os antigos mestres Nessa via, o Tro…