Pular para o conteúdo principal

CASA, CORPO E AMBIENTE

Esses dias recebi uma frase no facebook, atribuída á um biólogo, que dizia o seguinte: "se desaparecessem todos os insetos da Terra, em 50 anos a vida no planeta se exterminaria; mas se desaparecessem os seres humanos, em 50 anos toda a Terra seria reconstituída, com toda a sua biodiversidade." Não creio que há exageros nisso, realmente o ser humano tem sido terrível em relação ao modo como interage com o espaço, o ambiente, o lugar e as pessoas com quem convive.
Um espaço em desarmonia é resultado de uma mente em desarmonia. Uma casa em desarmonia é resultado de uma mente em desarmonia. Um corpo em desarmonia também é resultado de uma mente em desarmonia.Por isso, independente de ambientes sofisticados ou simples, ao cuidar do lugar, com gratidão e carinho, ele refletirá esse "clima". Assim também, quando arrumamos a nossa "casa" em todos os sentidos, estamos arrumando a nossa mente. Há uma sutil, profunda e misteriosa relação entre o mundo exterior e o mundo interior que devemos aprender, ou ter interesse pelo menos em fazê-lo.
Algumas tradições ancestrais estudaram profundamente essa relação, como por exemplo, a sabedoria antiga da China, na época do "Imperador Amarelo', Lao Tsé, etc.; a sabedoria tibetana, através do budismo, também expressa uma complexa e profunda relação de conhecimento dos mistérios da mente e do espaço. A tradição ancestral do Brasil, notadamente a tupy, deixou costumes e fragmentos de sabedoria em sua memória cultural, que nos leva a ter uma relação de equilíbrio entre a natureza exterior e a natureza interior. Além disso, deixou práticas de utilização de ervas, defumações, rezas, benzimentos que tem como propósito a manutenção do equilíbrio entre casa, corpo e mente. São conhecimentos milenares, simples, que primam pelo reconhecimento de que somos uma rede de inter-relações, ligados internamente por energias, que nos fazem irmanados com todas as manifestações de vida, do céu e da Terra.
O espaço onde se estabelece uma casa é uma soma de diversas energias.
Algumas vem do sagrado poder da terra, que faz a luz do sol se manifestar em vida. E esta vida forma a aura de uma casa. Cabe aos moradores qualificar esta aura com boas energias, que, como uma árvore, crescerão e se multiplicarão.
Outras energias vem do sagrado poder do ar, que faz a aura da casa expandir e retrair, assim como o dia e a noite. mas o ar tem que circular, assim como quando respiramos, ou seja, não pode haver bloqueios em um lar, tudo tem que fluir, a cada corredor e a cada cômodo. Não entulhe seu lar!!!
Além disso, há aquelas energias que vem das emoções que brotam da família ou da pessoa que habita um local. A memória das emoções transpiram pelas paredes. Temos que prestar atenção nás emoções que entoamos, pois formam registros emanadores de intentos!!!
E há a claridade do dia e o cobertor da noite, que embala os lares. Existem pessoas que impedem a luz de entrar de dia e ligam todas as luzes á noite, subvertendo o ritmo natural do lar. Mal sabem que isto adoece a casa.
E por fim, nada vivifica tanto um lar quanto a presença das plantas, das flores, dos aquários, dos peixinhos, ou seja, dos nossos amigos da natureza!!!
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

ÍNDIO É PROGRESSO

Da época da colonização para os tempos atuais de certa forma ocorreu uma evolução no relacionamento da sociedade para com os povos indígenas. No início foram escravizados. Pouco mais de um século depois, com o advento da escravização africana foram perseguidos para serem mortos por serem considerado “estorvo” para os caçadores de tesouro. Com o tempo, foi-se caipirizando e caboclando os remanescentes das mais diversas etnias e apagadas suas memórias ancestrais.   Somente na metade do século XX é que começou a haver um interesse mais humanista pela diversidade étnica brasileira, que coincidiu com o delineamento da democracia nos anos 80, colaborando  também para surgir um movimento de cidadania indígena e revitalização de suas lutas históricas. No passado foram as chamadas “bandeiras” que destituíram milhares de comunidades de suas tradições e modo de ser. Atualmente  a pressão de grandes obras de infraestrutura em locais que por direito é destinado á povos indígenas ou á preservação amb…