Pular para o conteúdo principal

Danielle Mitterrand e o Brasil

Danielle Mitterrand amava o Brasil. Apoiou as mulheres indígenas da amazônia que queriam manter sua tradição de gestar e parir filhos de modo tradicional. Apoiou o movimento de reciclagem de lixo coordenado por Dona Geralda, em Belo Horizonte, que hoje é um exemplo para todo o país. Apoiou o Instituto Arapoty em sua utopia de difundir os valores sagrados da cultura indígena do Brasil para resgatar a dignidade das raízes desta nação. Apoiou o movimento que ajudei a articular para criar a primeira reserva da Biosfera em terras de Minas Gerais, que engloba 11 municípios e protege mas de três milhões de hectares do cerrado mineiro no ano de 2003. Criou o movimento "Mensageiros das Águas", com o intuíto de gerar consciência de cuidado e preservação dessa preciosa fonte da vida, que tem sido tratada como negócio.
Adorava as montanhas de Minas Gerais e sentia-se pacificada com a mata atlântica de minha Itapecerica da Serra, quando nos visitava.
Danielle Mitterand era a presença da ética profunda. Da ação correta. Não tinha meias palavras para aqueles que tentavam persuadi-la com a linguagem do progresso á qualquer custo. Na França dizem que era mais radical que o marido, o ex-presidente François Mitterrand. Mas a sua firmeza elegante e feminina e sua clareza na expressão a faziam ser respeitada por adversários e mesmo pelos seus críticos mais ácidos.
Ela não fazia alarde em terras brasileiras, a não ser nos momentos de eventos onde o fato de ter sido primeira dama da França acabavam exigindo certo alvoroço cerimonial. mas ela aproveitava inclusive isto para promover causas humanitárias, que na sua visão eram o que verdadeiramente necessitava de alarde e solução.
Por isso, neste momento de sua passagem, agradeço publicamente a sua semeadura nesta terra, foi sincera, profunda e deixou frutos. Salve! Seus frutos agradecem!!! Ascensão e Luz, Madame Mitterrand!
4 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…