Pular para o conteúdo principal

Mulher e escritora indígena

A questão da mulher e de sua presença como protagonista da história do Brasil é algo que a história oficial também faz questão de esconder, mesmo nestes tempos em que temos a primeira presidente do genero feminino  governando o país.
No século XVI, durante os primeiros 50 anos de Brasil, centenas de mulheres indígenas foram "pegas á laço" para satisfação sexual dos portugueses, o que gerou uma mestiçagem forçada, mas ao mesmo tempo foram elas que cederam o ventre para a semeadura do povo brasileiro.
Mesmo entre as diversas culturas das matrizes ancestrais, o papel da mulher foi a de oprimida, com algumas excessões, como no caso das "icamiabas", as mulheres guerreiras que ficaram conhecidas como as "amazonas" desta Terra e que deram origem ao nome do estado do Amazonas.
Na literatura, podemos destacar Eliane Potiguara, mulher ativista, criadora do Grumin, uma organização que trabalha o protagonismo feminino entre os povos indígenas e escritora de um livro clássico na questão indígena intitulado "Metade Cara, Metade Máscara".
Mas infelizmente, mesmo em diversas etnias das nossas raízes, é grande o preconceito e a opressão em torno do papel do feminino na sociedade humana. Precisamos mudar também este velho paradigma.
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…