Pular para o conteúdo principal

A TRIBO QUE VAI TRANSFORMAR O PIAUÍ


Henrique, Kaká, Tomaz e Harume: análise dos trabalhos. Fotos: Tatiana Cardeal.
Mais de 200 universitários de todo o país se inscreveram para o projeto A Gente Transforma (AGT) 2012 – Chapada do Araripe. E não foi tarefa fácil escolher o grupo que irá ao povoado de Várzea Queimada, no coração do semiárido, participar das ações que vão transformar a comunidade em um lugar melhor para viver, com geração de renda e justiça social.
O alto nível dos trabalhos apresentados foi o ponto forte do processo seletivo. Criatividade, compreensão da realidade local, percepção socioambiental e propostas concretas do que fazer estavam presentes em praticamente todos os trabalhos. Por conta disso, a comissão julgadora optou por ampliar de 15 para 17 o número de estudantes selecionados.
Em fevereiro, eles irão à Várzea Queimada para unir esforços com a comunidade e encontrar soluções de permacultura para melhorar o saneamento básico, a iluminação das casas, o problema da água contaminada e da falta de infraestrutura. Nessa tarefa, os estudantes serão orientados pelos arquitetos e urbanistas Henrique Pinheiro e Tomaz Lotufo.
Em paralelo, a equipe coordenada pelo designer Marcelo Rosenbaum vai se unir aos artesãos locais para uma série de oficinas de capacitação e geração de renda. O objetivo será a produção de novas peças, voltadas para o mercado brasileiro de decoração.
Tomaz, Adriana e Ana: trabalhos de alto nível dificultaram a escolha.
O AGT 2012 é uma parceria do escritório Rosenbaum® com o SEBRAE-PI e com o Governo do Estado do Piauí.
Confira a lista dos estudantes que farão parte do AGT 2012..

.
Foram avaliados mais de 200 trabalhos.
.Comissão de seleção
As seguintes pessoas fizeram parte da comissão de seleção: Adriana Benguela – arquiteta e diretora geral do AGT; Ana Galli – arquiteta; Ana Paula Harumi – arquiteta e coordenadora do AGT; Elaine Saron – diretora de projetos do Instituto Arapoty; Henrique Pinheiro – arquiteto e urbanista; Kaká Werá, diretor-presidente do Instituto Arapoty; Marcelo Rosenbaum – designer e diretor geral do AGT; Marques Casara – jornalista e diretor de conteúdo do AGT; Tomaz Lotufo – arquiteto e urbanista.
Marcelo e Elaine assistem os vídeos enviados pelos candidatos.
Comentários
No geral, os trabalhos estavam brilhantes. Minha percepção é a de que os alunos querem ir para ajudar, para somar esforços com a comunidadeKaká Werá.
Fiquei impressionada com o nível de consciência social dos estudantes que participaram do processo seletivoAdriana Benguela.
Vi muita gente conectada, querendo transformar o nosso país em um lugar melhor. São jovens que poderiam estar fazendo outra coisa durante as férias, mas que optaram viajar com o AGT para um lugar árido e difícilMarcelo Rosenbaum.
A equipe responsável pelo processo seletivo foi bem coerente nos critérios. Formamos um grupo o mais interdisciplinar possível. Assistir os vídeos dos inscritos mostrou que os estudantes estão conectados com o momento e com a temática. Parabéns a todos os selecionados e aos que enviaram vídeos e textosHenrique Pinheiro.
O processo de seleção foi muito desafiador para nós. Os vídeos demonstram grande esforço e dedicação por parte de universitários de todo o país. Muitos jovens evidenciaram espírito de mudança e vontade de transformar a sociedade, colocando de fato a mão na massaTomaz Lotufo.

Rosenbaum em entrevista à ÉPOCA sobre o AGT


A Revista Época publicou nessa terça-feira, 17 de janeiro, uma entrevista super bacana com o Marcelo sobre o projeto A Gente Transforma.
Agradecemos ao time da redação da Época e reproduzimos logo aqui abaixo a entrevista na íntegra.
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…