Pular para o conteúdo principal

Assistir Xingú para conhecer Brasil

Tive o privilégio de assistir o filme Xingú com alguns parentes xinguanos, entre eles, Megaron. Emoção na platéia e emoção no telão! Um épico que mostra uma imagem crucial da história do Brasil que deveríamos aprender na escola.
 Em quinhentos anos de relações entre índios e não-índios, marca um dos raros momentos na linha da tempo histórico brasileiro em que lideranças não indígenas se posicionaram de um modo mais coerente em relação á diversidade de povos milenares do Brasil. Um drama complexo no período em que o militarismo com seu viés ditatorial se apossava do comando da nação.
Ali está o registro de um hábito que vem se repetindo nestes séculos afora. O modo distorcido com que o ser humano invade e se relaciona com o ecossistema e as culturas e civilizações diferentes dos "colonizadores". Gastaram milhões e milhões até o projeto "Transamazônica", que do ponto de vista de retorno socio-econômico foi um fiasco, mas do ponto de vista do custo de vidas e de civilizações humanas e biodiversidade foi com certeza pior que o holocausto.
Mas o filme Xingu também nos dá a idéia de que a compaixão, o respeito e o apreço pelo "outro", é possível, e por vezes é capaz de conquistas grandiosas. Naquela época, conseguir criar o Parque Nacional do Xingú, foi um exemplo disso.
Vale muito a pena ver o fime! O Brasil precisa conhecer o Brasil!
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…