Pular para o conteúdo principal

Aldeia Karioca é preparada para Rio mais 20

RIO - Índio quer trabalhar na aldeia Kari-Oca. Depois de uma viagem que durou três dias entre o Alto Xingu e o Rio — contando 12 horas de barco e o restante de ônibus —, 21 guerreiros tiveram que adiar a construção das ocas num terreno da Fiocruz, na Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá. O grupo chegou na noite de terça-feira, mas só no fim da tarde desta quinta-feira o trator da prefeitura apareceu para limpar o terreno, tomado pelo mato. Como se trata de área verde, o município dependia de licença ambiental.
Os indígenas, de quatro nações diferentes, estão preocupados com o tempo: são necessários pelo menos dez dias para a montagem das ocas, que precisam ficar prontas antes de 12 de junho. O espaço sediará eventos paralelos à Rio+20, de 13 a 22 de junho. Na noite desta quinta-feira, o secretário municipal de Conservação, Carlos Roberto Osório, informou que a licença havia sido expedida, permitindo a limpeza, que prossegue durante o dia nesta sexta-feira.
Até esta quinta-feira também faltava a liberação do dinheiro do Ministério do Esporte para alimentação e infraestrutura. Os índios almoçaram num restaurante japonês com sistema self-service, em Jacarepaguá. A conta foi paga no cartão de crédito de um funcionário da Fiocruz.
Eles trouxeram um caminhão de madeira pindaíba, usada na estrutura das ocas do Alto Xingu, em Mato Grosso. O sapê será daqui mesmo. O grupo trabalhará na construção de duas grandes ocas tradicionais, que delimitarão a arena para os rituais e apresentações. Uma delas servirá como entrada para a Kari-Oca.
— Para nós, não é difícil (construir as ocas). Essa casa aí é difícil para nós — disse nesta quinta-feira Paulo Roberto Alrria, de 42 anos, arquiteto da tribo Kamayurá, apontando para um galpão aberto dentro da área da Fiocruz. — A oca é melhor, porque lá dentro é sempre um pouco frio. Não esquenta.
Ele ainda está meio atordoado com o barulho da cidade, mesmo num dos lugares mais bucólicos do Rio. É a primeira vez que a maioria do grupo viaja à capital fluminense:
— Na minha aldeia não tem cidade perto. Fica longe. Não tem barulho de carro. Quando chega à cidade a gente fica com medo do barulho, não dorme direito — afirmou Alrria.
A primeira noite no alojamento da Fiocruz, com camas, foi difícil para o jovem Tukuman Kamayurá, de 23 anos, filho do cacique da aldeia:
— Na cama a gente fica assim, parado. Não tem o balanço da rede. Só fui conseguir dormir às 3h da manhã — contou o jovem líder, de penteado estilo Neymar e brinquinho na orelha.
No primeiro dia na cidade, os construtores nadaram no mar do Recreio. Eles agora querem conhecer as praias da Zona Sul e o Pão de Açúcar, além dos apresentadores William Bonner, Luciano Huck e Faustão. Na aldeia Kamayurá, com mais de 400 índios, a partir das 18h, quando o gerador é ligado, o programa é ver TV ao redor de um único aparelho. A energia acaba às 22h, com exceção das quartas-feiras, dia de jogo de futebol.
Apesar do isolamento, eles estão conectados ao mundo virtual. Prova disso é que o grupo trouxe na bagagem um iPhone, com o qual irão fotografar e filmar todas as etapas da construção da Kari-Oca, que terá uma oca eletrônica, high tech.
De acordo com Tukuman, as equipes trabalharão sete horas por dia, menos nos fins de semana, destinados a passeios na cidade. O arquiteto Araku Aweti, de 52 anos, queria sair à noite, mas está com medo de andar pela colônia. Ele também está incomodado com o fato de ainda não poder começar a trabalhar na construção:
— Não tem trabalho para nós, está demorando. Levamos dois dias para cortar as madeiras, mas a área (da aldeia) está suja. E não deixaram a gente roçar — reclama Aweti, um dos três arquitetos.
À frente da organização da Kari-Oca, o líder indígena Marcos Terena, do Comitê Intertribal, tentava ontem negociar o início dos trabalhos, já que os índios chegaram de surpresa, sem avisar dia e hora exatos. Segundo ele, a oca eletrônica e a da sabedoria, dedicada a líderes espirituais indígenas do mundo todo, serão mistas, com o aproveitamento de construções já existentes no terreno. O espaço dos sábios será montado próximo ao prédio da Fiocruz. Já a aldeia, por determinação da fundação, não poderá ser instalada na área onde ficou a Kari-Oca durante a Rio-92. A montagem será em outra parte do terreno.
Na área da antiga aldeia, ficará apenas o fogo sagrado, que será aceso no pôr-do-sol em 13 de junho, primeiro dia da conferência da ONU sobre desenvolvimento sustentável:
— Ele significa uma nova luz, que abre novos caminhos — afirma Terena.
A aldeia será palco de debates sobre questões polêmicas, como crédito de carbono e reservas minerais em áreas indígenas. Os diálogos produzirão um documento que será entregue à ONU em 17 de junho. Outro evento importante será o lançamento da primeira edição dos Jogos Mundiais Indígenas, em 2013, que ganhou o apoio do prefeito Eduardo Paes para que aconteça no Rio. São esperados na Kari-Oca 400 índios brasileiros, de 20 nações, e outros 1.200 estrangeiros, de países como Estados Unidos, Canadá, Nicarágua e Etiópia.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…