Pular para o conteúdo principal

Indios na Rio +20

Os indios são marginais na Rio+20, estarão presentes na aldeia Karioca, idealizada pelo líder Marcos Terena, do Comitê Inter-tribal. Justamente nas terras litorãneas dos antigos tupinambás, que resistiram bravamente contra os portugueses no século XVI, cujos sábios, os Tamoios, que a história os confundiu com uma etnia, organizaram grandes conferências neste lugar em remota época. 
Os Tamoios queriam a liberdade dos povos e o direito de viver o "seu modo de vida", mas através da paz. Queriam também a garantia de seus territórios e queriam o fim da espoliação do pau-brasil. Parece até que eles sabiam onde é que isso ia dar. Agora, séculos depois, os remanescentes de uma complexa ascendencia de inúmeras raízes pré-colombianas são impedidos de estar em seu próprio espaço ancestral, debatendo questões que atingem diretamente o presente e o futuro de uma diversidade cultural que não é só nacional, mas global.
Uma vez um outro líder indígena, Ailton Krenak, disse em tom sarcástico que nós temos a sina de sermos "estrangeiros" em nosso próprio país. E isto infelizmente tem se configurado como uma realidade, como algo "normal" perante a sociedade. Eu mesmo já ouvi muitas vezes a seguinte pergunta: "voce é índio ou brasileiro?"; e eu pensava, mas não dizia: "Nem uma coisa, nem outra, antes pelo contrário.".
A Mãe Terra sofre pela irresponsabilidade e inconsequencia de seus filhos, e osp rimeiros a alertarem para essa possibilidade foram justamente os "selvagens". E agora eles estão á margem das discussões para o apontamento de possibilidades para mudarmos os rumos de nossa relação com o ambiente em que vivemos.

3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…