Pular para o conteúdo principal

Sitios arquelógicos indígenas no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro - Representantes de povos indígenas realizaram uma cerimônia religiosa para celebrar a descoberta de dois sítios arqueológicos, no ano passado, na Gamboa, região portuária da cidade do Rio de Janeiro, com artefatos e ossadas dos primeiros índios brasileiros, datados de 3 a 4 mil anos atrás. Integrante da etnia Tupinambá, Anápuáka Muniz Tupinambá Hã-hã-hãe explicou que o ritual também é uma forma de chamar a atenção das autoridades para a importância de se preservar e divulgar esse patrimônio brasileiro. O grupo promoveu o ritual em locais do centro da capital fluminense. ''Aqui é a região do Porto Maravilha, que está sofrendo uma ampla revitalização e onde está sendo construído um corredor cultural. A questão da cultura indígena, no entanto, ainda não foi abordada e estamos aqui para afirmar religiosamente que queremos espaço para trazer para essa área todo o material arqueológico, de cemitério, que temos não só nesse município, mas também em outros, para termos um espaço para pesquisa e de proteção e divulgação da nossa cultura''. O evento foi promovido pela organização não governamental Raízes Históricas Indígenas no prédio do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos (IPM), na Rua Pedro Ernesto, na Gamboa, que abriga o Cemitério dos Pretos Novos e agora também o sítio arqueológico sambaqui, onde foram encontradas cerâmicas que comprovam o primeiro contato entre os índios brasileiros e os colonizadores portugueses na região. Depois, o grupo se dirigiu até a Rua Sacadura Cabral, também na Gamboa, onde há outros achados de sambaqui, finalizando o ritual na Praça da Harmonia, onde existiu um mercado de escravos. O arqueólogo e historiador Reinaldo Tavares, que foi um dos pesquisadores que encontraram os sítios, disse que a descoberta foi uma grande surpresa. ''Estávamos procurando a delimitação espacial do cemitério dos Pretos Novos e foi então que encontramos, primeiramente, o sítio de contato entre europeus e os tupinambás, e depois, na última sondagem pela rua, esse sítio pré-histórico, o que foi uma surpresa, pois só sabíamos de vestígios dele na região por documentos antigos. Hoje, os sítios estão registrados e protegidos e estamos aqui buscando a interação da comunidade com o seu patrimônio''. O arqueólogo explicou que o sítio sambaqui é da época dos paleoíndios brasileiros, com material arqueológico que apresenta indícios de uma sociedade de pescadores e coletores. Existem sambaquis em todo o litoral brasileiro, com resquícios de caixas de sepultura e de locais de convivência, onde a sociedade vivia e enterrava seus mortos. No sítio da zona portuária, foram encontrados também ossos de peixes queimados, lascas bipolares de quartzos para manipular peixes e resíduos de alimentos. O cemitério de escravos foi descoberto durante obras em um imóvel particular do século 18, na Gamboa. A região era conhecida em meados do século 19 como ''a pequena África''. Quando os escravos chegavam ao Rio de Janeiro, desembarcavam na Gamboa. Os ossos encontrados no local pertenciam a pessoas jovens, em sua maioria, pré-adolescentes. Edição: Davi Oliveira
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A espiritualidade da natureza

A espiritualidade não é um movimento e nem uma ideologia. Não é uma teoria criada por alguém. Também não é privilégio de alguns. Embora não seja reconhecida por inúmeras pessoas.  A espiritualidade é um princípio universal que está na base da sabedoria humana. Ao longo da presença de diversas culturas pelo mundo desde épocas imemoriais ela tem estado presente em sistemas de conhecimento, filosofias, cosmovisões, memórias, etc. A mais antiga noção de espírito e de espiritualidade vem da natureza. Ela foi e é a inspiradora do reconhecimento e do desvendamento do mistério que somos. Nesse sentido as culturas que se formaram com laços fortemente traçados com a natureza desenvolveram uma espiritualidade e uma visão de espirito de extrema poesia e integração. Uma das culturas que se expressou de um modo agudo e profundo essa relação do espírito com a natureza foi a tradição tupi. Umas das mais antigas raízes culturais do Brasil.  A tradição tupi tem mais de 12.000 anos de presença na face …

TEKOA: COMO TORNAR UM LUGAR SAGRADO

Esses dias recebi uma frase no facebook, atribuída á um biólogo, que dizia o seguinte: "se desaparecessem todos os insetos da Terra, em 50 anos a vida no planeta se exterminaria; mas se desaparecessem os seres humanos, em 50 anos toda a Terra seria reconstituída e renovada com toda a sua biodiversidade" . Não creio que há exageros nisso, realmente nós, seres humanos temos tido comportamentos terríveis em relação ao modo como interagimos com o espaço em que vivemos: seja ele o ambiente, o lugar onde moramos e também com as pessoas com quem convivemos. Dizem alguns mestres de sabedoria que um espaço em desarmonia é resultado de uma mente em desarmonia. Uma casa em desarmonia é resultado de uma mente em desarmonia. Um corpo em desarmonia também é resultado de uma mente em desarmonia.Por isso, independente de ambientes sofisticados ou simples, ao cuidar do lugar, com gratidão e carinho, ele refletirá esse "clima". Assim também, quando arrumamos a nossa "casa" …

A raiz do xamanismo e da sabedoria tupi

É
É com grande alegria que anunciamos a publicação de mais este importante livro, que contém os preciosos fundamentos de uma das grandes tradições espirituais da América do Sul: a tradição ancestral tupi-guarani! "Desde os últimos duzentos anos de peregrinação tupi-guarani, existe uma profecia que fala do retorno de Tupã no coração dos Homens, para iniciar ‘a quarta humanidade’. Segundo essa antiga tradição, Tupã é um dos nomes do Grande Espírito, do Sagrado Mistério, da causa de toda emanação de vida. É a Consciência Infinita, presente, mas adormecida em nossos corações e mentes, que precisa ser despertada. Existe uma via chamada ‘Apecatu Ava-porã’, que significa O Caminho do Homem Sagrado. É um método de aprimoramento pessoal em que a natureza e suas forças apoiam o ser humano em seu alinhamento, despertar e integração da consciência a partir de músicas, meditações e sons apropriados. Para isso, ‘há que se conhecer o Trovão e o Vento’, diziam os antigos mestres Nessa via, o Tro…