Pular para o conteúdo principal

Guarani Kaiowá mostra rio envenenado

indio guarani kaiowá mostra rio envenenado


O córrego YPo i, principal fonte de água dos indígenas Guarani Kaiowá de YPo i, em Paranhos, divisa do Mato Grosso do Sul com o Paraguai, foi envenenado. Em entrevista ao Conselho Indigenista Missionário (Cimi), a comunidade afirma que o crime foi "uma ação deliberada dos proprietários das fazendas".
Um vídeo com imagens do riacho contaminado, registrado por dois professores indígenas, foi publicado pelo conselho da Aty Guasu (assembleia dos Kaiowá e Guarani) na sexta-feira (16).
Uma crosta de espuma branca se formou em toda a superfície da água, na manhã de quarta-feira, fechando totalmente o rio. "As crianças estavam tomando banho quando viram a espuma branca", contou um dos índios ao Cimi. "Ela tomou conta do córrego inteiro por dois dias".
Os Guarani Kaiowá disseram ainda terem seguido a trilha do riacho até a fazenda, onde foram vistos dois tambores. "Não sabemos o que era. A gente foi pra tirar foto, mas fomos recebidos a bala. Começaram a atirar pra cima e saímos correndo".
Segundo os Kaiowá, não é a primeira vez que o único córrego da área, a 200 metros de distância do acampamento, é envenenado. "Logo quando a gente retomou, quando estávamos isolados, os fazendeiros jogaram gado morto no rio, querendo dificultar nossa vida", diz um indígena.
O córrego é a principal fonte da comunidade de água pra beber, tomar banho, fazer comida e lavar roupa.
Em nota, o conselho da Aty Guasu disse estar "chocado e indignado com as ações cruéis dos fazendeiros (...)", e exigiu que "autoridades federais tomem prividências cabíveis".
A Polícia Federal, Força Nacional e Fundação Nacional do Índio foram notificadas da ocorrência e uma amostra da água será encaminhada ao Ministério Público Federal de Mato Grosso do Sul (MPF/MS).
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…