Pular para o conteúdo principal

Comissão Parlamentar visitou Kaiowá


O senador João Capiberibe (PSB/AP) registrou em plenário, nesta terça-feira, 11, o deslocamento de uma diligência ao município de Iguatemi (MS), para acompanhar de perto o conflito que coloca em choque a comunidade Guarani-Kaiowá e os fazendeiros do Sul daquele Estado.
A comitiva esteve formada pelas Comissões de Direitos Humanos do Senado e da Câmara Federal, composta pelos senadores Capiberibe e Randolfe Rodrigues (PSOL/AP), e cinco deputados federais: Janete Capiberibe (PSB-AP), Danilo Forte (PMDB-CE), Erika Kokay (PT-DF), Geraldo Resende (PMDB-MS), Penna (PV-SP), Ricardo Tripoli (PSDB-SP) e Sarney Filho (PV-MA).
“Lá encontramos uma situação estarrecedora: a comunidade indígena vivendo em condições absolutamente degradantes, praticamente encurralada nas margem do rio Hovy, sem ter possibilidade de acesso fácil e de contato com as comunidades do entorno” – destacou João Capiberibe.
Ele ressaltou que os líderes indígenas estavam assustados, temerosos por sua integridade física. Os parlamentares também ouviram os argumentos dos fazendeiros e do dono da Fazenda Cambará.
“Sentimos que, neste momento, há uma tendência de se procurar uma solução para esses conflitos, tanto de parte das comunidades indígenas que sofrem e vivem em condições de extrema precariedade, como também dos fazendeiros que, de boa-fé, ocuparam essas áreas” – ressaltou.
Para o senador, o Estado brasileiro colocou em conflito permanente produtores rurais e a comunidade indígena, porque outorgou títulos de propriedade em terras tradicionalmente ocupadas por indígenas, e esta situação precisa de uma solução.. 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

ÍNDIO É PROGRESSO

Da época da colonização para os tempos atuais de certa forma ocorreu uma evolução no relacionamento da sociedade para com os povos indígenas. No início foram escravizados. Pouco mais de um século depois, com o advento da escravização africana foram perseguidos para serem mortos por serem considerado “estorvo” para os caçadores de tesouro. Com o tempo, foi-se caipirizando e caboclando os remanescentes das mais diversas etnias e apagadas suas memórias ancestrais.   Somente na metade do século XX é que começou a haver um interesse mais humanista pela diversidade étnica brasileira, que coincidiu com o delineamento da democracia nos anos 80, colaborando  também para surgir um movimento de cidadania indígena e revitalização de suas lutas históricas. No passado foram as chamadas “bandeiras” que destituíram milhares de comunidades de suas tradições e modo de ser. Atualmente  a pressão de grandes obras de infraestrutura em locais que por direito é destinado á povos indígenas ou á preservação amb…