Pular para o conteúdo principal

Maracanã e Cabral

O Cabral quer encobrir o Brasil. o governador do Rio de Janeiro acha ridículo preservar a memória das raízes que fundaram o país, logo ali, perto do estádio que vai ser o palco mundial do futebol em 2014. Para o governador Sérgio Cabral, é melhor destruir a memória e fazer um estacionamento. Quando observamos os países anteriores que sediaram copas do mundo, da Europa, passando pela Ásia e até a África; foi comum presenciar a valorização da diversidade da cultura local, principalmente aquelas que originam suas respectivas nações. Mas sabemos que infelizmente a cultura indígena não é respeitada pelos homens de poder. É tido como um estorvo. Se fosse um prédio dedicado aos ingleses ou holandeses, é claro que eles iriam fazer ali um mega museu. Mas, afinal de contas, são somente índios.
E Cabral não gosta de índios.

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…