Pular para o conteúdo principal

MORENÀ



Em janeiro retomaremos o projeto do espetáculo teatral MORENÁ.
A peça teatral “Morená” apresentado pelo grupo de teatro do Ponto de Cultura Arapoty fala sobre a origem do ser humano a partir da cosmovisão do povo Kamaiura, que habita a região do parque nacional do Xingú.
A trama se passa com o avô Vento contando para sua neta Brisa a história do romance entre uma lagoa ancestral e o Sol, que teria dado origem à vida do ser humano na terra. Mavutsinim, o espírito do Sol, encanta-se com a beleza de Morená, uma entidade mítica formada a partir da fusão da alma de uma deusa estelar com a de uma lagoa. Apaixonado, ele se transforma no primeiro homem, e faz dela uma mulher, tornando-se o primeiro casal humano na terra.
No entanto Morená acaba atraindo a inimizade de Kanassan, um espírito sombrio que governava a penumbra e a noite ancestral.  A partir daí nasce uma rivalidade entre eles e muitas aventuras ocorrem, envolvendo os pássaros, os espíritos sombrios, o vento, as águas.  Toda a natureza se une para trazer o dia para o mundo e libertar Morená do jugo de Kanassan. Após uma grande batalha formam-se diversas nascentes e rios, inclusive o Xingú.
De uma forma lúdica e romanceada, fenômenos da natureza vão se personificando e levando o público a refletir sobre a formação deste mundo e a necessidade de preservá-lo.
O texto é de Kaká Werá, escritor e ambientalista de origem indígena tapuia. O elenco é formado por um grupo de jovens e adolescentes de Itapecerica da Serra.

FICHA TÉCNICA: direção de Tatiana Zalla; trilha sonora de Leandro Pfeifer e Cia Deodara; iluminação de Fran Barros; coreografia de Fletir Cia de Dança; com participação especial da bailarina Thais Gimenez. Produção de Elaine Saron, e André Dib e Cassandra Cury no registro fotográfico. 

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…