Pular para o conteúdo principal

Aldeia Maracanã

Índios pedem ao governo que Centro de Referência seja mantido onde está


O documento foi enviado à Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH), onde será analisado pelo secretário de Estado Zaque da Silva Teixeira e encaminhado para o governador Sérgio Cabral.

Os líderes da aldeia também requereram um termo de garantia oficial do governo para assegurar a sua presença no local:
"Os índios requerem ainda Termo de Garantia oficial, pelo Governo do Estado, para assegurar, entre outros: que o prédio seja tombado, restaurado e dedicado ao Centro de Referência da Cultura dos Povos Indígenas; que a Aldeia Maracanã participe do projeto de restauração e assuma a direção executiva do espaço; que mão-de-obra indígena seja empregada na restauração; que seja estipulado prazo da entrega de, no máximo, um ano e meio, contados a partir da formalização do Acordo; que seja permitida a permanência de um pequeno grupo de indígenas numa das casas do local para monitorar a obra, garantindo também a manutenção da posse", diz a carta.
Incêndio
Na madrugada desta sexta-feira, um incêndio assustou os indígenas. O Corpo de Bombeiros alegou que o fogo, que não fez vítimas, começou a partir de uma fiação  elétrica. A hipótese é contestada pelos índios e pela Defensoria Pública da União do Rio (DPU), que dizem se tratar de incêndio criminoso. Um boletim de ocorrência foi registrado na 18ª DP, na Praça da Bandeira.

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

ÍNDIO É PROGRESSO

Da época da colonização para os tempos atuais de certa forma ocorreu uma evolução no relacionamento da sociedade para com os povos indígenas. No início foram escravizados. Pouco mais de um século depois, com o advento da escravização africana foram perseguidos para serem mortos por serem considerado “estorvo” para os caçadores de tesouro. Com o tempo, foi-se caipirizando e caboclando os remanescentes das mais diversas etnias e apagadas suas memórias ancestrais.   Somente na metade do século XX é que começou a haver um interesse mais humanista pela diversidade étnica brasileira, que coincidiu com o delineamento da democracia nos anos 80, colaborando  também para surgir um movimento de cidadania indígena e revitalização de suas lutas históricas. No passado foram as chamadas “bandeiras” que destituíram milhares de comunidades de suas tradições e modo de ser. Atualmente  a pressão de grandes obras de infraestrutura em locais que por direito é destinado á povos indígenas ou á preservação amb…