Pular para o conteúdo principal

Diversidade não é coisa de índio.

Diversidade é estar alinhado com princípios da natureza do próprio ser. O próprio Cosmos se manifesta a partir de um mistério que se torna plural e diverso e se estrutura em um sistema interdependente. Olhar o céu e olhar a natureza nos inspira a perceber que a diversidade é o princípio da vida em movimento constante de harmonia e evolução.
Quando transpomos isto para a sociedade humana, podemos perceber a mesma coisa. É da pluralidade de culturas, visões, cosmovisões, idéias, crenças, pessoas; que a civilidade se instala, se aprimora, se remodela, se transforma. Existem os conflitos e eles são importantes, são os atritos necessários para a movimentação da vida também na civilização. Por isso não pode-se haver intolerância ao que é diferente, ao que pensa diferente, ao que se veste diferenta, ao que opina diferentemente, ao que tem pele, tamanho, formato diferente. Intolerancia é o caminho da ignorãncia que leva á terríveis considerações e possibilidades. Devemos acolher também aquilo que não é nosso próprio espelho com afeto, com cuidado, com assertividade, com curiosidade inclusive. Daquelas curiosidades que abrem portas para ampliarmos nosso senso de sensibilidade, de conhecimento, de sabedoria, e de comunhão.
Por isso, diversidade não é coisa só de índio, nem de negro, nem de amarelo; diversidade é uma instância sagrada do fluxo da própria vida.

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…