Pular para o conteúdo principal

ÍNDIOS EM BELO MONTE NÃO SÃO OUVIDOS PELO GOVERNO



O principal objetivo dos índios é a suspensão de todos os empreendimentos hidrelétricos na Amazônia até que o processo de consulta prévia aos povos tradicionais seja regulamentado (Elza Fiúza/ABr)
Brasília  Em uma carta divulgada no site do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e atribuída à lideranças indígenas munduruku, xipaya, kayapó, arara e tupinambá, o grupo que desde a madrugada de ontem (27) ocupa um dos canteiros de obras da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu, no Pará, diz estar cansado de “esperar e chamar” representantes do governo federal para negociar.
“O governo disse que se nós saíssemos do canteiro, nós seríamos ouvidos. Nós saímos pacificamente e evitamos que vocês passassem muita vergonha nos tirando à força daqui. Mesmo assim, nós não fomos atendidos. O governo não nos recebeu”, declaram os autores do texto, se referindo à ocupação do canteiro Sítio Belo Monte, no início do mês.
“Queremos a suspensão dos estudos e da construção das barragens que inundam os nossos territórios, que cortam a floresta no meio, que matam os peixes e espantam os animais, que abrem o rio e a terra para a mineração devoradora. Que trazem mais empresas, mais madeireiros, mais conflitos, mais prostituição, mais drogas, mais doenças, mais violência”, menciona o documento. “Exigimos sermos consultados previamente sobre essas construções, porque é um direito nosso garantido pela Constituição e por tratados internacionais. Isso não foi feito aqui em Belo Monte, não foi feito em Teles Pires e não está sendo feito no Tapajós”.
O principal objetivo dos índios é a suspensão de todos os empreendimentos hidrelétricos na Amazônia até que o processo de consulta prévia aos povos tradicionais, previsto na Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), seja regulamentado.
Divulgada antes do anúncio da Justiça Federal, que, esta tarde, concedeu um prazo de 24 horas para que a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a União providenciem a saída pacífica e voluntária do grupo de índios do canteiro de obras, o texto cobra que o governo federal não envie a Força Nacional para “negociar”.
“Queremos que a [presidenta] Dilma [Rousseff] venha falar conosco […] Ocupamos de novo o seu canteiro. Quantas vezes será preciso fazermos isso até que a sua própria lei seja cumprida?”, questionam os autores do texto. Desde ontem a Agência Brasil tenta, sem sucesso, contactar, por telefone, lideranças mundurukus que, segundo informações de representantes da etnia, estão no canteiro, com o grupo de manifestantes.
Edição: Fábio Massalli

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

ÍNDIO É PROGRESSO

Da época da colonização para os tempos atuais de certa forma ocorreu uma evolução no relacionamento da sociedade para com os povos indígenas. No início foram escravizados. Pouco mais de um século depois, com o advento da escravização africana foram perseguidos para serem mortos por serem considerado “estorvo” para os caçadores de tesouro. Com o tempo, foi-se caipirizando e caboclando os remanescentes das mais diversas etnias e apagadas suas memórias ancestrais.   Somente na metade do século XX é que começou a haver um interesse mais humanista pela diversidade étnica brasileira, que coincidiu com o delineamento da democracia nos anos 80, colaborando  também para surgir um movimento de cidadania indígena e revitalização de suas lutas históricas. No passado foram as chamadas “bandeiras” que destituíram milhares de comunidades de suas tradições e modo de ser. Atualmente  a pressão de grandes obras de infraestrutura em locais que por direito é destinado á povos indígenas ou á preservação amb…