Pular para o conteúdo principal

Orquestra Sinfônica Piccolo, da Alemanha, adapta obra de Kaká Werá

 A orquestra sinfônica Piccolo, formada por jovens estudantes da Alemanha, regida pelo maestro winfried Vogele, adaptou o Mito da Criação tupy-guarani, escrita por Kaká Werá; e realizou uma série de apresentações em São Paulo.
O projeto foi conduzido pela Associação Monte Azul, pelo Instituto Arapoty e teve a participação de jovens de Itapecerica da Serra e da Associação Monte Azul.
Na Alemanha a orquestra já se apresentou para mais de 10.000 pessoas e em São Paulo para mais de 2000 pessoas na região da zona sul da cidade.
O mito da Criação Tupy-Guarani é resultado de uma pesquisa em aldeias indígenas realizada por Kaká Werá na década de 80; na ocasião da adaptação para sinfonia ganhou uma versão escrita em português e alemão.
O encontro faz parte das comemorações do ano BRASIL-ALEMANHA e  da iniciativa das organizações envolvidas.  O principal propósito do espetáculo é levar a consciencia da necessidade de desenvolvimento de uma cultura de paz e de respeito á diversidade.
Em Itapecerica da Serra, no parque Paraíso, pela primeira vez foi apresentada uma orquestra sinfonica na cidade, com 110 integrantes, entre músicos e jovens bailarinos.
O mito da criação fala da origem da Mãe Terra e dos primeiros seres humanos, nascidos a partir de sementes de diversas árvores, dando origem á diversas raças, que, embora diferentes, provem do mesmo ventre sagrado.

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

ÍNDIO É PROGRESSO

Da época da colonização para os tempos atuais de certa forma ocorreu uma evolução no relacionamento da sociedade para com os povos indígenas. No início foram escravizados. Pouco mais de um século depois, com o advento da escravização africana foram perseguidos para serem mortos por serem considerado “estorvo” para os caçadores de tesouro. Com o tempo, foi-se caipirizando e caboclando os remanescentes das mais diversas etnias e apagadas suas memórias ancestrais.   Somente na metade do século XX é que começou a haver um interesse mais humanista pela diversidade étnica brasileira, que coincidiu com o delineamento da democracia nos anos 80, colaborando  também para surgir um movimento de cidadania indígena e revitalização de suas lutas históricas. No passado foram as chamadas “bandeiras” que destituíram milhares de comunidades de suas tradições e modo de ser. Atualmente  a pressão de grandes obras de infraestrutura em locais que por direito é destinado á povos indígenas ou á preservação amb…