Pular para o conteúdo principal

Ruralistas comandam o código florestal e expulsam índios

Em abril deste ano representantes indígenas de diversas regiões pressionaram a Cãmara dos Deputados em Brasília para a não formação de uma comissão que iria acolher a PEC 215, um projeto de lei que tira  da Presidencia da República, através do Ministério da Justiça e FUNAI, a responsabilidade sobre a questão de demarcação de Terras e põe nas mãos da Câmara; onde a maioria é notadamente ruralista.
O espaço que se utilização foi a Comissão Parlamentar para Questões Indígenas,presidida pelo Deputado Federal Padre Ton e tendo a vice-presidencia o Deputado Federal José Luis Penna.
Se acontecer de questões indígenas ficarem nas mãos dos parlamentares para resolver, é como se colocássemos a raposa para tomar conta das galinhas.
Além disso, a presidente Dilma quer que seja revista o modo como se demarca terra no país, colocando os estudos também nas mãos de instituições como Embrapa e organizações ligadas ao agro-negócio. Ou seja, há mais raposas para serem colocadas em outras portas da questão do território  e das culturas que milenarmente os ocuparam.
O cerco está se fechando contra os direitos constitucionais indígenas. E o pior é que o noticiário passa a ideia de que são os índios estão invadindo, badernando, etc
Em relação ao código florestal, os ruralistas também conseguiram o que queriam: anistia de multas, possibilidades de aumento do desmatamento, comprometer encostas e nascentes e ainda posarem do progressistas. O reflexo disso já se apresenta: diminuição de florestas, super-envenenamento do solo com agrotóxicos, populações á deriva social, morando e se alimentando em condições inaceitáveis do ponto de vista da saúde social. É isso desenvolvimento?



Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

ÍNDIO É PROGRESSO

Da época da colonização para os tempos atuais de certa forma ocorreu uma evolução no relacionamento da sociedade para com os povos indígenas. No início foram escravizados. Pouco mais de um século depois, com o advento da escravização africana foram perseguidos para serem mortos por serem considerado “estorvo” para os caçadores de tesouro. Com o tempo, foi-se caipirizando e caboclando os remanescentes das mais diversas etnias e apagadas suas memórias ancestrais.   Somente na metade do século XX é que começou a haver um interesse mais humanista pela diversidade étnica brasileira, que coincidiu com o delineamento da democracia nos anos 80, colaborando  também para surgir um movimento de cidadania indígena e revitalização de suas lutas históricas. No passado foram as chamadas “bandeiras” que destituíram milhares de comunidades de suas tradições e modo de ser. Atualmente  a pressão de grandes obras de infraestrutura em locais que por direito é destinado á povos indígenas ou á preservação amb…