Pular para o conteúdo principal

O Xamã e o Guerreiro




O Xamã é aquele que pela luz do silêncio dialoga com o Sagrado Mistério e este revela-se, pouco á pouco, ao próprio. Desse diálogo nasce as respostas para as suas mazelas, feridas, maus hábitos; para a cura de si e de seus semelhantes. O Xamã voa, por isso adora plumas, que representam essa dimensão celestial e iluminada. Mas muitas vezes se perde neste vôo pela influência dos ventos das fantasias e falsas projeções, de si mesmo e dos outros.
O guerreiro é aquele que tem os dois pés no chão e conhece o valor e o poder das raízes. Conhece os valores da terra: realizar, semear, materializar, lidas com a vida prática. O guerreiro guerreia, não contra alguém, mas consigo mesmo, contra suas insignificâncias e contra os seus exageros. O guerreiro guerreia contra as suas limitações, suas percepções fragmentadas das circunstâncias da vida. As vezes o guerreiro fere e magoa.
Por isso os dois devem andar lado a lado, um ouvindo o outro, principalmente nos momentos decisivos dos fatos que a vida apresenta.
O Xamã ilumina o caminho do guerreiro. O guerreiro fortalece a jornada do Xamã.

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

ÍNDIO É PROGRESSO

Da época da colonização para os tempos atuais de certa forma ocorreu uma evolução no relacionamento da sociedade para com os povos indígenas. No início foram escravizados. Pouco mais de um século depois, com o advento da escravização africana foram perseguidos para serem mortos por serem considerado “estorvo” para os caçadores de tesouro. Com o tempo, foi-se caipirizando e caboclando os remanescentes das mais diversas etnias e apagadas suas memórias ancestrais.   Somente na metade do século XX é que começou a haver um interesse mais humanista pela diversidade étnica brasileira, que coincidiu com o delineamento da democracia nos anos 80, colaborando  também para surgir um movimento de cidadania indígena e revitalização de suas lutas históricas. No passado foram as chamadas “bandeiras” que destituíram milhares de comunidades de suas tradições e modo de ser. Atualmente  a pressão de grandes obras de infraestrutura em locais que por direito é destinado á povos indígenas ou á preservação amb…