Pular para o conteúdo principal

Verdes e Índios pela defesa da Constituição

Verdes na defesa das terras indígenas participam de protesto contra a PEC 215

Manifestações vão ocorrer em todo o Brasil até o dia 5, quando se comemoram os 25 anos de promulgação da Constituição Federal.

Representantes de diferentes etnias indígenas, apoiadores e simpatizantes participaram de protesto, realizado no final da tarde de quarta-feira (2/10), na Avenida Paulista, contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215 que tramita na Câmara dos Deputados e tira do Governo Federal a autonomia na demarcação de terras indígenas, quilombolas e zonas de conservação ambiental. Os manifestantes se concentraram em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp).

Dentre os participantes, o líder indigenista Kaká Werá, também dirigente do PV de Itapecerica e membro da direção estadual do Partido Verde (43). De acordo com Werá, a PEC 215 beneficia os interesses de grupos ruralistas. As manifestações são pospostas pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB).

“A questão indígena vai contra interesses de grupos econômicos e a aprovação da emenda favorece, principalmente, a bancada ruralista e grupos ligados ao agronegócio e põe em risco os direitos indígenas já conquistados. E pior, permite a revisão de territórios que já foram demarcados. O protesto faz parte da agenda nacional de manifestações contra a PEC e vai até o dia 5 de outubro, quando comemoraremos os 25 anos da carta magna”, disse Kaká Werá.

A PEC propõe alterações nos procedimentos de demarcação, que passariam a ser regulamentados por lei e não mais por meio de decreto, como atualmente. A aprovação do documento inviabiliza, ainda, a criação de novas reservas, por conta da força da bancada ruralista no Congresso.

“O governo federal é contra a proposta, porque ela é inconstitucional. A presidente Dilma Rousseff tem se posicionado contra e feito declarações públicas sobre o assunto afirmando que o poder de demarcação de terras da União é do Poder Executivo”, complementou Werá.

Segundo Kaká, vários juristas têm se posicionado contra a PEC e um deles é Dalmo Dallari que tem afirmado que as ações de demarcações de terras em grande parte são dificultadas porque senadores interferem nos governos estaduais para que não protejam os direitos consagrados na Constituição.

O debate sobre a PEC ocorre desde 2000. O texto 215 retira a atribuição exclusiva da Fundação Nacional do Índio (Funai), órgão vinculado ao Ministério da Justiça, para demarcar terras indígenas. A Carta Magna contém 250 artigos, mas apenas dois são dedicados aos índios, os artigos 231 e 232. 
 Artigo 231: São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens.
 Artigo 232: Os índios, suas comunidades e organizações são partes legítimas para ingressar em juízo em defesa de seus direitos e interesses, intervindo o Ministério Público em todos os atos do processo.

Postagens mais visitadas deste blog

A espiritualidade da natureza

A espiritualidade não é um movimento e nem uma ideologia. Não é uma teoria criada por alguém. Também não é privilégio de alguns. Embora não seja reconhecida por inúmeras pessoas.  A espiritualidade é um princípio universal que está na base da sabedoria humana. Ao longo da presença de diversas culturas pelo mundo desde épocas imemoriais ela tem estado presente em sistemas de conhecimento, filosofias, cosmovisões, memórias, etc. A mais antiga noção de espírito e de espiritualidade vem da natureza. Ela foi e é a inspiradora do reconhecimento e do desvendamento do mistério que somos. Nesse sentido as culturas que se formaram com laços fortemente traçados com a natureza desenvolveram uma espiritualidade e uma visão de espirito de extrema poesia e integração. Uma das culturas que se expressou de um modo agudo e profundo essa relação do espírito com a natureza foi a tradição tupi. Umas das mais antigas raízes culturais do Brasil.  A tradição tupi tem mais de 12.000 anos de presença na face …

TEKOA: COMO TORNAR UM LUGAR SAGRADO

Esses dias recebi uma frase no facebook, atribuída á um biólogo, que dizia o seguinte: "se desaparecessem todos os insetos da Terra, em 50 anos a vida no planeta se exterminaria; mas se desaparecessem os seres humanos, em 50 anos toda a Terra seria reconstituída e renovada com toda a sua biodiversidade" . Não creio que há exageros nisso, realmente nós, seres humanos temos tido comportamentos terríveis em relação ao modo como interagimos com o espaço em que vivemos: seja ele o ambiente, o lugar onde moramos e também com as pessoas com quem convivemos. Dizem alguns mestres de sabedoria que um espaço em desarmonia é resultado de uma mente em desarmonia. Uma casa em desarmonia é resultado de uma mente em desarmonia. Um corpo em desarmonia também é resultado de uma mente em desarmonia.Por isso, independente de ambientes sofisticados ou simples, ao cuidar do lugar, com gratidão e carinho, ele refletirá esse "clima". Assim também, quando arrumamos a nossa "casa" …

A raiz do xamanismo e da sabedoria tupi

É
É com grande alegria que anunciamos a publicação de mais este importante livro, que contém os preciosos fundamentos de uma das grandes tradições espirituais da América do Sul: a tradição ancestral tupi-guarani! "Desde os últimos duzentos anos de peregrinação tupi-guarani, existe uma profecia que fala do retorno de Tupã no coração dos Homens, para iniciar ‘a quarta humanidade’. Segundo essa antiga tradição, Tupã é um dos nomes do Grande Espírito, do Sagrado Mistério, da causa de toda emanação de vida. É a Consciência Infinita, presente, mas adormecida em nossos corações e mentes, que precisa ser despertada. Existe uma via chamada ‘Apecatu Ava-porã’, que significa O Caminho do Homem Sagrado. É um método de aprimoramento pessoal em que a natureza e suas forças apoiam o ser humano em seu alinhamento, despertar e integração da consciência a partir de músicas, meditações e sons apropriados. Para isso, ‘há que se conhecer o Trovão e o Vento’, diziam os antigos mestres Nessa via, o Tro…