A Busca da Felicidade


PUBLICADO EM 26/11/13 - 04h00
Finalmente, o tão esperado filme “Eu Maior” acaba de ser lançado e a boa notícia é que ele está disponível em quatro plataformas distintas: streaming (YouTube), download, “home vídeo” (DVD e Blu-ray) e cinema. Graças a uma parceria com o portal de crowdfunding Catarse e a rede de cinemas Cinemark, as pessoas poderão organizar exibições em qualquer uma das 36 cidades onde a Cinemark tem salas.
Com 90 minutos de duração, o documentário é uma reflexão contemporânea sobre autoconhecimento e busca da felicidade, explorando questões essenciais e universais em uma época de grandes transformações e desafios e que pede níveis mais altos de discernimento e consciência individual.
“Eu Maior” é uma produção inovadora que utilizou, pela primeira vez, o crowdfunding (financiamento coletivo) com incentivo fiscal (Lei do Audiovisual) para complementar o seu financiamento. Questões essenciais como “qual o sentido da vida” e “o que é a felicidade” são exploradas por 30 expoentes de diferentes áreas, incluindo líderes espirituais, intelectuais, artistas e esportistas.
Pessoas tão distintas como o físico Marcelo Gleiser, o surfista Carlos Burle, a monja budista Coen,  o cronista Rubem Alves, o músico Marcelo Yuka, o alpinista Waldemar Niclevicz, entre muitos outros.
Apoiando-se nas redes sociais para divulgar o projeto, os diretores Fernando e Paulo Schultz, juntamente com os produtores Marco Schultz e André Melman, levantaram R$ 208,6 mil com 600 patrocinadores pessoa física que puderam deduzir o patrocínio do imposto de renda (em até 6% do valor total), tiveram seu nome incluído nos créditos finais do filme, e ganharam ingressos para duas exibições exclusivas – uma em São Paulo e outra no Rio – que juntas reuniram mais de 1,6 mil pessoas. 
O valor arrecadado corresponde a 25% do valor total do projeto, que também contou com o patrocínio de empresas de peso como NET e Cinemark.  “A oportunidade de deduzir o patrocínio do IR ajudou, mas a maioria dos patrocinadores nos apoiou porque acha que os desafios do mundo atual pedem níveis mais altos de discernimento e consciência individual, e o filme fala sobre isso”, comenta Fernando Schultz.
As propostas de exibição são inscritas no Catarse, e quem conseguir 150 apoiadores contribuindo com R$ 20 garante a exibição. “É algo que estamos chamando de “crowdcinema”, porque dá às pessoas o poder de trazer um filme para cinemas da sua cidade, e assisti-lo com outras pessoas igualmente interessadas no tema”, afirma André Melman.
Somente na primeira semana de novembro, iniciativas em 19 cidades diferentes do Brasil foram abertas. Salvador, Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, São José dos Campos, Campinas e Florianópolis já garantiram a exibição.
“O filme traz ideias profundas que precisam ser assimiladas aos poucos. “Quem vê uma vez quer ver de novo”, diz Marco Schultz.
Questões existenciais profundas tão sublimadas pela atual sociedade consumista são levantadas e tratadas no filme por 30 personalidades com perfis bem distintos, mas que têm em comum a disposição de compartilhar experiências de vida que ampliaram suas percepções de si e do mundo. Dessa forma, perguntas como “quem sou eu?” e “qual é o sentido da vida?” são abordadas de forma inteligente.
Paulo Schultz acredita que a divulgação do filme nos outros formatos não vai atrapalhar sua comercialização. “Lançar na web significa pulverizar. Quem quiser assistir de outra forma vai acabar procurando outras plataformas”.
Serviço: O documentário “Eu Maior” poderá ser visto nas salas da rede Cinemark em diversas cidades do Brasil. Basta conferir a programação no site eumaior.catarse.me/. A outra opção é assistir o filme pelo site http://eumaior.com.br/

Postagens mais visitadas