Pular para o conteúdo principal

O Haiti é aqui.

Meu amigo Jhon é um haitiano que está no Brasil, em Santo André (SP), ensinando lingua portuguesa á seus conterrâneos que normalmente estão chegando pelo Acre. A situação lá é desoladora, terrível. E a nossa situação como um País que mantêm relações diplomáticas e de suporte social para com o Haiti é confusa. Não estamos preparados para o acolhimento social e a inserção dos nossos companheiros em nossa casa chamada Brasil. Enquanto isso, a gente se vira como pode. Existe a hospitalidade de amigos brasileiros de vários lugares, que, individualmente colaboram com o Jhon e seus conterraneos.

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

ÍNDIO É PROGRESSO

Da época da colonização para os tempos atuais de certa forma ocorreu uma evolução no relacionamento da sociedade para com os povos indígenas. No início foram escravizados. Pouco mais de um século depois, com o advento da escravização africana foram perseguidos para serem mortos por serem considerado “estorvo” para os caçadores de tesouro. Com o tempo, foi-se caipirizando e caboclando os remanescentes das mais diversas etnias e apagadas suas memórias ancestrais.   Somente na metade do século XX é que começou a haver um interesse mais humanista pela diversidade étnica brasileira, que coincidiu com o delineamento da democracia nos anos 80, colaborando  também para surgir um movimento de cidadania indígena e revitalização de suas lutas históricas. No passado foram as chamadas “bandeiras” que destituíram milhares de comunidades de suas tradições e modo de ser. Atualmente  a pressão de grandes obras de infraestrutura em locais que por direito é destinado á povos indígenas ou á preservação amb…