Pular para o conteúdo principal

Propostas de um índio para o senado

O papel do senador possui pouquíssimas características que se diferenciam do papel dos deputados. Enquanto a câmara, através da ação do conjunto de seus representantes, devem ser porta-vozes do povo; o senado representa o estado e tem por obrigação gerar, valorizar e atrair propostas de políticas públicas e leis que possam colaborar com o desenvolvimento do estado em diversos níveis: econômico, social, cultural, científico e ecológico.  
Como candidato a senador pelo Partido Verde, antes de qualquer coisa, tratarei cada um destes níveis a partir da premissa da manutenção do equilíbrio ecológico como fundamento em todas as questões, desdobrando em ações que devem primar por cuidado e respeito á todas as formas de vida, identidade e diversidade cultural. Será um olhar verde do estado de São Paulo para o Brasil; mas profundamente enraizado nas matrizes afro-tupi. Matrizes estas que possuem no seu DNA uma habilidade nata de relacionamento equânime com os ecossistemas.
No entanto, a posição do Partido Verde e também a minha é a de que o senado é uma sobreposição de funções e tarefas, pois tudo que é de responsabilidade da câmara federal também é do senado, e tudo que é votado em uma instância também assim é na outra. Além disso, ele tem um custo altíssimo para a nação. No programa de governo que nosso candidato a presidente Eduardo Jorge defende, é proposto a gradual extinção do senado através de uma fusão com a Câmara federal, diminuindo também o número de representantes. Por isso, as propostas que aponto para o senado, não pressupõe a sua continuidade, e os temas que proponho são considerações que independem da permanência desta instituição, mas considero imprescindíveis para São Paulo.
Destaco sete eixos temáticos a serem considerados como fundamentais para esta nossa metrópole atingir um salto qualitativo no seu desenvolvimento. 


  1. Educação: Enfoque na melhor qualificação de quem aprende e de quem ensina, pois São Paulo forma, infelizmente, nas escolas públicas, analfabetos funcionais. Isto porque o professor não tem tempo de aprofundar seus saberes e didática, além de ganhar mal; e o estudante não tem oportunidade de ficar o período integral na escola, aperfeiçoando-se culturalmente, tecnicamente e praticando esportes. 
  2. Cuidado com as águas: a questão das águas exige o foco em um tripé de ações: a) combate ao desperdício, promovido pelo próprio estado, onde cerca de um terço da água se esvai pelo não investimento em manutenção e tecnologia atualizada. b) estimular uma política pública de re-uso das águas e c) preservar nascentes e eecossistemas. 
  3. Mobilidade: diversificar os meios de transporte, investindo em qualidade de ferrovias e tornar a navegação em determinados rios possível. Investir em combustíveis não poluentes, e controlar a emissão de gases nas cidades com mais de 200 miil habitantes.
  4. Energia: Incrementar o uso da energia solar e em alguns casos, eólica, como estratégia econômica e ecológica. Promover a economia através do investimento na descarbonização da energia.  
  5. Valorização da agricultura familiar e investimento no sistema orgânico de plantio, precisamos desintoxicar a terra. Não há qualidade de vida e saúde de fato se não chegar á nossa mesa alimentos verdadeiramente saudáveis.
  6. Cultura de Paz: A implantação de uma política de cultura de paz será crucial para o avanço do estado de São Paulo. A promoção do respeito á diversidade cultural; o combate á discriminação de raça, credo, cultura e o equilíbrio entre direitos e deveres humanos são ações imprescindíveis para nosso estado cosmopolita.  Uma das propostas do PV é transformar o sistema carcerário de universidades do crime para universidades de regeneração e cidadania através do tripé: trabalho, educação técnica, orientação social sistemática. Devemos equilibrar punição com regeneração.
  7. Índios/Diversidade: A situação indígena em São Paulo, particularmente na capital, é degradante porque o estado nunca se preocupou em aplicar uma política pública específica, que estimulasse a sustentabilidade econômica e social e a valorização cultural dos povos, como também o fortalecimento de uma cidadania dos remanescentes indígenas e seus descendentes, através do favorecimento de uma educação diferenciada, respeitando a particularidade de seus saberes
    .

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…