Pular para o conteúdo principal

Kaká Werá é contra o aborto

As diversas vertentes políticas atuais, sejam de esquerda ou de direita, não possuem condições para o julgamento da questão do aborto. Isto se deve pelo fato de que este tema é de cunho espiritual, profundo e complexo. Do ponto de vista das sagradas religiões, o ser é espírito e não matéria; portanto, no processo de gestação está em curso a preparação de uma vida que, se interceptada, comete-se um gravíssimo erro, pois, mesmo não havendo ainda um corpo físico, há uma presença viva em atividade de formação. 
As opiniões dos cidadãos medianos, sem compreensão das coisas do espírito, não contribuem para um julgamento a respeito deste tema. Na verdade só confundem ainda mais. Nem o mais eminente cientista ou o mais sábio jurista possuem condições de atestar a legalidade deste gesto. No entanto, os espiritualistas e as sagradas filosofias religiosas reconhecem a presença da vida que antecede a forma material e que deve ser natural e cuidadosamente amparada em todo o momento de sua gestação.
Portanto, a questão que podemos discutir deste tema é a violência contra o corpo feminino quando passa por essa terrível experiência e as condições precárias e insalubres que muitas mulheres, ás escondidas, vivem em decorrência desta escolha. 
Quando me propus a participar da reflexão deste tema no Partido Verde, fui favorável a abrir um debate para caminharmos na direção de haver políticas públicas e campanhas que pudessem atentar, orientar e encaminhar soluções para este tipo de violência, provocada por diversos enredos, alguns resultados da ignorância humana, outros por inconsequentes agressividades.
Na verdade, o meu objetivo principal é dar um fim para o sofrimento da mulher que passa por uma situação vexatória, onde é agredida fisicamente, socialmente e psicologicamente; porque infelizmente nós não evoluímos ainda o suficiente em termos espirituais, por enquanto, a ponto de eliminarmos este problema de modo mais consciente. Desejo que o Grande Espírito nos ilumine e nos de sabedoria para conseguirmos transcender este tipo de situação o mais rápido possível. 

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…