Pular para o conteúdo principal

Sobre Jean Nascimento, senador suplente de Kaká Werá

" Não tenho formação acadêmica, sou formado pela vida onde a vida me levou a ser um palestrante em varias faculdades com as pautas de Igualdade e Diversidade. Fui o primeiro Presidente mais novo na historia da Irmandade Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de SP. Onde deste de sua fundação nunca tinha entrado com seus membros na Câmara Municipal de São Paulo, Assembléia Legislativa de São Paulo, onde fui homenageado pelos trabalhos desenvolvidos na instituição com os moradores de rua, Igualdade e inclusão social com Diplomas  Placas Salva de Prata e etc.
Nasci dentro da igreja da irmandade Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de São Paulo em pleno centro de São Paulo.
Com  passar dos anos, a Irmandade se firmou como  um grande centro de preservação da historia e da riqueza cultural do povo negro.
A Irmandade desenvolve um trabalho de preservação da cultura negra. Afinal, foi neste espaço que nasceram os mais importantes eventos dedicados a comunidade negra. Entre elas Miss Bonequinha do Café, Clube Aristocrata, Bailes, Alem do importante movimento político, onde venho seguindo os meus mentores Adalberto Camargo primeiro deputado Estadual, A primeira Vereadora e Deputada Teodosina Ribeiro.
Uma historia que passa de geração para geração
Construída no período colonial, época em que havia serias restrições para os negros que quisessem frequentar as igrejas dos (Senhores Brancos), a Igreja  da  Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos foi fundada em janeiro de 1711, com a união de negros escravos e alforriados, alem de abolicionistas."
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

ÍNDIO É PROGRESSO

Da época da colonização para os tempos atuais de certa forma ocorreu uma evolução no relacionamento da sociedade para com os povos indígenas. No início foram escravizados. Pouco mais de um século depois, com o advento da escravização africana foram perseguidos para serem mortos por serem considerado “estorvo” para os caçadores de tesouro. Com o tempo, foi-se caipirizando e caboclando os remanescentes das mais diversas etnias e apagadas suas memórias ancestrais.   Somente na metade do século XX é que começou a haver um interesse mais humanista pela diversidade étnica brasileira, que coincidiu com o delineamento da democracia nos anos 80, colaborando  também para surgir um movimento de cidadania indígena e revitalização de suas lutas históricas. No passado foram as chamadas “bandeiras” que destituíram milhares de comunidades de suas tradições e modo de ser. Atualmente  a pressão de grandes obras de infraestrutura em locais que por direito é destinado á povos indígenas ou á preservação amb…