Pular para o conteúdo principal

Kaká Werá é homenageado pelo pioneirismo na literatura indígena


A literatura indígena no Brasil nasceu no inicio da década de 90. Mais exatamente em 1993 apos a publicacao do livro "Todas As Vezes que Dissemos Adeus", de minha autoria.  Em seguida veio o livro  "Coisas de Indio", de Daniel Munduruku. E a partir de entao comecamos a estimular o surgimento de escritores indigenas.  Criei nesta época um selo para o fomento, mas nao deu certo, e depois a editora peiropolis, que havia publicado meus livros seguintes, se interessou em lancar um selo para publicacao de escritores indigenas. 
Alguns antropólogos na época achavam que índio não podia escrever, e ate me questionaram por isso. Mas hoje são quase 50 escritores indígenas no Brasil e já somam próximo a um milhão de exemplares vendidos; em sua grande maioria catalogados como literatura infanto-juvenil. 
Alguns escritores indigenas tem uma produção regular e escrevem muito, como Daniele Munduruku, Olivio Jecupé, Eliane Potiguara e Yaguare Yaman. São referencias recorrentes em salões literários e bienais do livro.
No inicio dos anos noventa achava que o fato dos próprios indios e descendentes escreverem sobre suas culturas serviria para recuperar também territórios de idéias, cosmovisões, e de subjetividades que também foram destituídas.
A desestruturação social veio acompanhada também de desestruturação de alma e alto estima. Eu sabia que ao tocar, pela literatura, na valorização de saberes, isto poderia refletir no fortalecimento desta alma coletiva e diversa que formam as raízes que fundaram verdadeiramente o Brasil. Por isso, quando Pedro Bial, em evento  da Fundação Nacional do Livro Infanto-juvenil, presta uma homenagem pelo meu pioneirismo, penso que é o reconhecimento do início do resgate da dignidade do espírito coletivo de diversos povos ancestrais.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

ÍNDIO É PROGRESSO

Da época da colonização para os tempos atuais de certa forma ocorreu uma evolução no relacionamento da sociedade para com os povos indígenas. No início foram escravizados. Pouco mais de um século depois, com o advento da escravização africana foram perseguidos para serem mortos por serem considerado “estorvo” para os caçadores de tesouro. Com o tempo, foi-se caipirizando e caboclando os remanescentes das mais diversas etnias e apagadas suas memórias ancestrais.   Somente na metade do século XX é que começou a haver um interesse mais humanista pela diversidade étnica brasileira, que coincidiu com o delineamento da democracia nos anos 80, colaborando  também para surgir um movimento de cidadania indígena e revitalização de suas lutas históricas. No passado foram as chamadas “bandeiras” que destituíram milhares de comunidades de suas tradições e modo de ser. Atualmente  a pressão de grandes obras de infraestrutura em locais que por direito é destinado á povos indígenas ou á preservação amb…