Pular para o conteúdo principal

Entre o Ceu e a Terra



    No episódio de estreia de Entre o Céu e a Terra, na TV Brasil que estreia dia 4 de dezembro, o biólogo Alberto mergulha em uma crise sobre suas certezas científicas no dia da morte de seu pai e sai em uma jornada rumo a novas descobertas. Partindo das indagações de Alberto, lideranças espirituais e especialistas de outros saberes apresentam suas crenças de como seria esta pós-vida, as implicações existenciais da fé em uma vida pós-morte, e as implicações éticas de não se acreditar em um plano espiritual.
    O programa trará depoimentos de representantes de algumas crenças professadas no Brasil, como do Candomblé, por meio da baiana Makota Valdina para quem “a gente quer ser feliz aqui e agora”; do islamismo, representado pelo Imam Sami Isbelle, que nos conta de como será o paraíso para os muçulmanos; da possibilidade de comunicação com os mortos para os espíritas; da terra sem males do povo Guarani na voz de Kaká Werá; do filósofo Renato Janine Ribeiro, do Teólogo pernambucano Gilbraz Aragão; do ateu, Daniel Sottomaior, entre outros.
    Já o episódio de estreia de Retratos de Fé mostra como o Islamismo é professado em algumas localidades brasileiras. Em São Paulo, o telespectador conhecerá a Mesquita Brasil e o Sheik iraniano recém-formado, Abdul Hamide, que fala como foi o seu processo de formação, como está a sua adaptação no Brasil e qual a importância da sua escolha para ele e sua família. Em Foz do Iguaçu, berço no Islamismo no Brasil, o Sheik Abdul Nasser, de origem libanesa, explica os cinco pilares do islão: a recitação e a aceitação da crença, orar cinco vezes ao dia, pagar esmola, observar jejum do Ramadão e peregrinar à Meca. Todos os dias ele lidera as orações na Mesquita Branca. Em Manaus, o jornalista Anwar Assi, que nasceu em família islâmica, visita a primeira Mesquita de Manaus que ficou pronta em 2012, apesar da grande comunidade que existe naquela região. Ele conta da sua expectativa para uma futura visita à Meca. Em Curitiba, um casal de brasileiros que se converteu recentemente ao islamismo conta porque optou pela conversão e como foi o processo de adaptação aos novos hábitos de vida. Comerciantes, eles não abrem mão de fazer as cinco orações por dia e praticar diariamente todos os ensinamentos do islamismo.
    Postar um comentário

    Postagens mais visitadas deste blog

    NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

    Kaká Werá fala sobre a questão indígena

    Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

    Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…