Pular para o conteúdo principal

Água não é negócio, é um bem comum.

Lembro-me que em 2001 comecei, com o apoio e a parceria de Danielle Mitterrand, uma série de atividades que incluia seminários, publicações, palestras, com o propósito de difundir a importância de lidar com a água com responsabilidade, cuidado, e garanti-la como um direito de todos. Para isso haveria basicamente a necessidade de realizarmos três procedimentos: não desperdiça-la, despolui-la através de estações de tratamento apropriadas, e considera-la como um bem comum ao invés de negócio. 
Foram anos de trabalho, circulando alguns estados do Brasil e também da França, a partir da Fundacion France Libertes, falando em diversos espaços institucionais nas mais diversas situações. E incrivelmente recebiamos mais atenção na Europa, onde a escassez é grande, do que no Brasil, onde rios e cachoeiras abundam. 
Recentemente, quando tive a oportunidade de ser candidato ao senado pelo estado de São Paulo pelo Partido Verde, retomei a ladainha das águas pois estávamos no início de uma grande crise. E a questão era basicamente a mesma. São Paulo desperdiça, através da própria empresa pública de água, quase 35% daquilo que capta, onde literalmente ela vai pelo ralo. Ao invés de investir em reparo e manutenção, investe em ações, fazendo da água um negócio. A SABESP pede para o povo economizar, cobra o ônus, e ainda insinua que a população é a culpada. 
A crise foi aumentando e a situação foi ficando drástica. E pelo menos para uma coisa serviu; hoje em dia é muito comum qualquer cidadão saber justamente da necessidade de cuidar, preservar, e até honrar, agradecendo  reconhecendo o valor inestimável deste bem, que nos é comum e cuja responsabilidade do estado é grande. Precisamos sentir falta, infelizmente, para descobrir isso. No entanto, o comportamento das políticas públicas para isso ainda engatinha. 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

Quatro atitudes de paz que nos tornam ricos

Não sabemos muitas vezes definir a palavra paz, mas quando a ouvimos, algo de bom ressoa em nossos corações. Onde há paz, há riqueza em todas as suas dimensões: social, econômica, ecológica, e pessoal.  Mas embora seja difícil definí-la, podemos pelo menos refletir sobre o que nos põe fora dela e o que nos aproxima, integrando-a. Na sabedoria ancestral são reconhecidas quatro atitudes que nos distancia de sua luz : A primeira atitude que a torna longe de nossa presença pacífica é a ideia de separatividade. Os mestres de sabedoria ensinam que somos uma só vida desdobrada em muitos, que embora tenhamos uma individualidade, em essência somos uma mesma respiração desa Vida. Mas criamos de nossas individualidades segregações, visões de mundo e sobre nós mesmos  que geraram conflitos diversos, que tem trazido desde tempos imemoriais toda sorte e graus de dificuldades nos relacionamentos e convivências. A  segunda atitude que nos distancia da paz é aquele aspecto julgador que habita em cada…