Pular para o conteúdo principal

A SABEDORIA ANCESTRAL DA ÍNDIA VEM AO BRASIL

Sri Tathata é nativo do sul da India, na região do Kerala. Atualmente com 73 anos, mas desde criança iniciou sua missão de vida a partir das práticas e ensinamentos que recebeu de uma tradição milenar de seus país: a sabedoria védica.
Ele é um mestre autorealizado, ou seja, que já galgou todas as etapas de desenvolvimento interior em sua existencia. Reconhecido como um avatar.
Em 2014 estive em um congresso á convite de sua organização onde pude ver milhares de pessoas buscar a sua benção e reverenciar o seu trabalho espiritual. Além de indianos; pude conhecer franceses, italianos, americanos, ingleses e pessoas proeminentes da ONU, da UNESCO, da política da Índia e outros eminentes mestres de seu Pais.
Este encontro ao qual fui convidado era um momento dedicado á concentrar forças e emanar pedidos e orações de cura através de mantras e meditações pelo rito védico do fogo sagrado para o mundo inteiro. foram 13 dias de rezas, mantras, depoimentos, palestras e meditações. Milhares de corações unidos pela Terra. Foi maravilhoso.
Na ocasião foi feito o convite para que ele viesse pela primeira vez ao Brasil e foi aceito. A idéia é que as duas tradições ancestrais do Brasil, mais as religiões que propõe o diálogo e o respeito á toda diversidade de saberes o receba e que se possa abençoar o Brasil desde suas raízes mais profundas. Ele e seu devoto grupo de bramanes e mytris aceitaram e estão chegando para uma primeira turnê. Começando pelo Mosteiro São Bento em São Paulo, dia 20 de novembro ás 19 horas. Todos estão convidados, é aberto ao público. Participem. O Pais precisa de bençãos e conexão espiritual.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

ÍNDIO É PROGRESSO

Da época da colonização para os tempos atuais de certa forma ocorreu uma evolução no relacionamento da sociedade para com os povos indígenas. No início foram escravizados. Pouco mais de um século depois, com o advento da escravização africana foram perseguidos para serem mortos por serem considerado “estorvo” para os caçadores de tesouro. Com o tempo, foi-se caipirizando e caboclando os remanescentes das mais diversas etnias e apagadas suas memórias ancestrais.   Somente na metade do século XX é que começou a haver um interesse mais humanista pela diversidade étnica brasileira, que coincidiu com o delineamento da democracia nos anos 80, colaborando  também para surgir um movimento de cidadania indígena e revitalização de suas lutas históricas. No passado foram as chamadas “bandeiras” que destituíram milhares de comunidades de suas tradições e modo de ser. Atualmente  a pressão de grandes obras de infraestrutura em locais que por direito é destinado á povos indígenas ou á preservação amb…