Pular para o conteúdo principal

O sagrado território do Saber


Quando em 1993 iniciei, junto com Daniel Munduruku e Olívio Jecupé, a ideia de nos mobilizarmos através de uma literatura, com o propósito de expor melhor a cultura indígena do país, um ou outro antropólogo disse que isso não era coisa de índio; que coisa de índio era andar pelado e pintado de urucum. Eu disse que uma coisa não excluia a outra. De vez em quando, nos momentos adequados, ainda pintamos o corpo de urucum, mas que expressar através da escrita as nossas visões de mundo poderia ser também um ato cultural e legítimo.

 Muitos anos se passaram e hoje somos mais de 60 escritores das mais diversas etnias em todo o país.Com mais de 150 títulos publicados e mais de 2 milhões de livros vendidos. Já existe um mercado literário e uma feira cultural literária específica para essa arte, com o apoio desde o início da FNLIJ (Fundação Nacional do Livro Infanto Juvenil).

A maior parte destas obras enaltecem o valor sagrado que é respeitar a natureza, os animais, a pluralidade étnica. Revelam visões de mundo diferentes, estimulam a inteligencia humana a vislumbrar novas possibilidades de relações. ou seja, é um serviço educativo que se presta á sociedade como um todo.

O fato de utilizar ferramentas, no caso a escrita, diferentes do que tradicionalmente seriam as destas culturas não diminuem a autenticidade e a qualidade da expressão. Além disso, criam a possibilidade de haver uma aproximação de culturas diversas em uma coexistencia pacífica e criativa.

Os povos indígenas estão usando a literatura, a pintura, a câmera de TV, o computador, o teatro, a dança e outras tecnologias para comunicarem algumas coisas ao mundo. Desde inquietações filosóficas, políticas, sociais, até a exposição de seus valores e crenças. E isso é uma estratégia de abertura, busca de diálogo e também de resistência cultural.



O que nós queremos com isso? Revelar a pluralidade de saberes e também reconhecer que uma cultura é viva quando ela também se permite acolher traços e códigos culturais de outra. Que o fluxo da vida é dinâmico, possível de haver interações diversas. Além do mais, desfolclorizar essa idéia congelada das matrizes que fundaram essa nação hoje chamada Brasil.











Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

NOSSAS RAÍZES PRECISAM SER RESPEITADAS

Kaká Werá fala sobre a questão indígena

ÍNDIO É PROGRESSO

Da época da colonização para os tempos atuais de certa forma ocorreu uma evolução no relacionamento da sociedade para com os povos indígenas. No início foram escravizados. Pouco mais de um século depois, com o advento da escravização africana foram perseguidos para serem mortos por serem considerado “estorvo” para os caçadores de tesouro. Com o tempo, foi-se caipirizando e caboclando os remanescentes das mais diversas etnias e apagadas suas memórias ancestrais.   Somente na metade do século XX é que começou a haver um interesse mais humanista pela diversidade étnica brasileira, que coincidiu com o delineamento da democracia nos anos 80, colaborando  também para surgir um movimento de cidadania indígena e revitalização de suas lutas históricas. No passado foram as chamadas “bandeiras” que destituíram milhares de comunidades de suas tradições e modo de ser. Atualmente  a pressão de grandes obras de infraestrutura em locais que por direito é destinado á povos indígenas ou á preservação amb…