Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio 24, 2015

SINTONIA

Mesmo em tempos difíceis, a flor nasce, o sol aparece, o rio flui e uma nova fruta brota da árvore.

Todos nascem para o êxito

A Mãe Terra germina indistintamente todas as sementes. A água a todas nutre. O sol á todas vivifica. A lei da natureza é vida e êxito.  A nós compete somente agradecer e oferecer cuidados.

Kaká Werá é homenageado pelo pioneirismo na literatura indígena

A literatura indígena no Brasil nasceu no inicio da década de 90. Mais exatamente em 1993 apos a publicacao do livro "Todas As Vezes que Dissemos Adeus", de minha autoria.  Em seguida veio o livro  "Coisas de Indio", de Daniel Munduruku. E a partir de entao comecamos a estimular o surgimento de escritores indigenas.  Criei nesta época um selo para o fomento, mas nao deu certo, e depois a editora peiropolis, que havia publicado meus livros seguintes, se interessou em lancar um selo para publicacao de escritores indigenas. 
Alguns antropólogos na época achavam que índio não podia escrever, e ate me questionaram por isso. Mas hoje são quase 50 escritores indígenas no Brasil e já somam próximo a um milhão de exemplares vendidos; em sua grande maioria catalogados como literatura infanto-juvenil.  Alguns escritores indigenas tem uma produção regular e escrevem muito, como Daniele Munduruku, Olivio Jecupé, Eliane Potiguara e Yaguare Yaman. São referencias recorrentes em s…

Kaká Werá fala para a Rádio Yandê

O escritor, educador, ambientalista e fundador do Instituto Arapoty, Kaká Werá, de 51 anos, ficou conhecido por sua sensibilidade, livros e trabalhos sociais voltados para difundir o saber ancestral das culturas indígenas. Mas principalmente no combate ao assistencialismo e desmistificação da cultura.
Sua família de origem indígena vivia em Minas gerais e migrou para cidade de São Paulo nos anos 60. Na década de 80 em São Paulo ele iniciou um trabalho de apoio a Comunidade Guarani, criou laços de amizade profundos com o pajé Alcebíades Werá, um sábio ancião do Povo Guarani que compartilhou com Kaká seus saberes. Em 1986 Carlos Alberto dos Santos foi batizado e recebeu o nome guarani de "Werá Jecupé", hoje conhecido como Kaká Werá.
Em entrevista para Rádio Yandê ele falou sobre a importância de conscientizar a sociedade para as questões indígenas e a força da cultura indígena no combate aos males e desafios enfrentados pelos Povos Indígenas nos dias atuais.
(Rádio Yandê) Rena…